Blog do Orlando Costa

Verba volant, scripta manent

Mês: maio 2011 (Página 1 de 2)

FORA DO RANKING

Quando se ouve falar novamente no ranking criado pela Secretaria Estadual da Saúde visando obter o índice de satisfação dos usuários do Sistema Único de Saúde-SUS, em relação ao atendimento em hospitais e maternidades do Estado é que se torna ainda mais dolorosa, para nós olimpienses, a situação em que se encontra, hoje, a nossa Santa Casa de Misericórida. Porque entre 2008 e 2009, ela esteve na relação das melhores Santas Casas do Estado, conforme atestado pelo então secretário da Pasta, e pela própria Secretaria, o que deixou a provedora Helena de Sousa Pereira com a sensação do dever cumprido e causou euforia no prefeito Geninho (DEM).

Desta vez, a Secretaria da Saúde ouviu 158 mil pacientes em 630 estabelecimentos de saúde conveniados à rede publica paulista e divulgou somente os 35 melhores hospitais e as 20 melhores maternidades. Não se sabe, portanto, qual a posição que nosso hospital estaria neste levantamento, que foi feito em 2010, depois que o Poder Público, tendo à frente o prefeito e sua secretária municipal de Saúde, Silvia Forti Storti, tiraram de lá a diretoria apolítica que o dirigia há quase quatro anos.

A Santa Casa de Olímpia foi reconhecida como “um dos melhores hospitais de São Paulo” no começo de 2009. Ela foi oficialmente reconhecida pelo governo do Estado de São Paulo como um dos melhores hospitais que atendem pelo SUS. Na ocasião, a informação foi recebida pela provedora Helena de Sousa Pereira por meio de ofício assinado pelo então secretário da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata (morto em julho do ano passado).

“O seu hospital está entre os melhores do Estado, de acordo com pesquisa realizada pelo Governo do Estado de São Paulo entre os usuários do SUS-SP”, dizia o ofício de Barradas. O estudo havia colhido, pela primeira vez, informações de pessoas que passaram por consulta, internação, cirurgia ou exames nos hospitais públicos de São Paulo entre 2008 e 2009. E mais: além de confirmar as informações sobre os procedimentos médicos pelos quais passaram, os usuários puderam avaliar a qualidade e agilidade do atendimento dos profissionais e da infra-estrutura oferecida.

É claro que notícia tão auspiciosa não deixou de contagir o prefeito. “A Santa Casa, em especial a provedora Helena Pereira, e os funcionários, os médicos, os colaboradores, enfim, todos estão de parabéns. Da administração municipal, a certeza de que o hospital terá todo apoio necessário. Quando vereador, fui um grande parceiro na busca de recursos para a Santa Casa. Como prefeito, me considero ‘amigo da Santa Casa’ e a provedora Helena sabe que pode contar com nosso governo municipal”.

Foram as palavras do prefeito na ocasião. Não pergunte a este blog o que mudou depois. Não saberemos responder. Estamos tão estupefatos quanto vocês, leitores.

SAÚDE DA
FAMÍLIA
A partir da próxima semana, os distritos de Ribeiro dos Santos e Baguaçu passam a contar com uma equipe de 10 profissionais cada, incluindo médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem e agentes comunitários. Também estão sendo criadas duas Unidades de Saúde da Família-USF, com quatro equipes, ou seja, 40 profissionais, 24 deles contratados por meio de concurso público (que receberá inscrições a partir do próximo dia 6), uma no Jardim São José e outra na Cohab IV. A estimativa é de colocar em campo 40 profissionais médicos, enfermeiros e auxiliares, para atender cerca de 12 mil pesssoas mensalmente, o que daria 400 atendimentos por dia e, se forem quatro equipes, 100 pacientes por equipe/dia.

O programa Saúde da Família é, atualmente, a estratégia do Sistema Único de Saúde-SUS melhor avaliada por seus usuários, segundo pesquisa divulgada dias atrás pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-Ipea. Bem gerenciado, poderá aliviar consideravelmente a Santa Casa. Aliado à Unidade de Pronto Atendimento-UPA, poderá livrar o hospital de uma catástrofe em futuro não muito distante. O porém é eminentemente de cunho político: que não seja um programa para durar apenas até final de outubro do ano que vem.

MINHA CASA,
MINHA VIDA
O post de ontem – “Desmistificando o ‘Minha Casa, Minha Vida'”), acabou rendendo dois comentários curiosos, além do abono de grande parte – se não todos – dos leitores. Ambos vieram com o fim de reparar o que foi publicado, que longe de ser uma crítica ao empreendimento, foi apenas uma constatação, uma reverberação dos próprios mutuários que, ao tomarem conhecimento das dimensões das casas em que vão morar, manifestaram-se surpresos.

Um dos comentários foi do leitor que se assina “CURIOSO” (assim mesmo, em caixa alta). Diz ele:

Orlando, de uma pesquisada no valor de 174.000,00 o apartamento que esta sendo contruido no antigo terreno do Vieti, a metragem do mesmo é a mesma das casas de 54.000,00 do MCMV, com este agravante de pagamento de escrituras e outras coisas mais (condominio que deve ser um absurdo), fique atento e mande procurar a DILMA E O LULA que é quem criaram o progama

Desnecessário dizer que a comparação não serve. Usa-se um condomínio de alto luxo, cujo comprador receberá tudo pronto, e tudo de primeira, incluindo playgroud, salão de festas, piscina, quadra para jogos e outras “regalias”. Portanto, ali, paga-se pelo luxo, pela segurança e até mesmo pela vaidade de morar em um lugar de tamanha visibilidade como será aquele condomínio. Aliás, se comparação for feita, esta será desfavorável ao MCMV, porque aquele imóvel está só 3.2 vezes mais caro. É no centro, tem guarita, segurança e glamour. Isso tudo justifica a diferença. Ou não? Portanto, injustiça tal comparação, “Curioso”. 

O segundo comentário é do leitor que se assina “Jorge”. Ele é mais prolixo no seu texto. Acompanhem:

Não conheço a casa do MCMV, aliás, nunca entrei em um imóvel popular, mas a informação traz um dado importante: o terreno é de 160 mts quadrados. Considero um tamanho excelente e, veja o mercado imobiliário, um terreno com estas dimensões pode custar em torno de 50 mil reais em uma área boa, ocorre que em bairros bons, com baixos indices de criminalidade, onde a vizinhança é decente, de pessoas honestas educadas que não colocam o som (geralmente funk e sertaneja) nas maiores alturas, com um monte de cães latindo, um montão de crianças remelentas na rua com as roupas esfarrapadas e bolsos dos shorts descosturados e tudo reflexo do baixo nivel cultural e economico dos habitantes locais, não se encontram mais terrenos para vender, pq já estao urbanizados. Por outro lado no site da prefeitura dá para fazer um tour virtual por uma das casas e é um espaço reduzido mesmo. O usuário vai ter que colocar beliche nos quartos se quiser ter um guarda roupa no local, mas para muitas pessoas isto vai ser um avanço, vai trazer dignidade para pessoas que sequer isto tem, pois a media salarial das pessoas é de R$ 800,00 que convenhamos não dá para alçar grandes voos, é um salario apenas para subsistencia e quanto aos valores das prestações, é preciso lembrar que não envolve o Poder Público municipal, o programa é do GOVERNO FEDERAL que trouxe um pouco de dignidade para as pessoas que vivem em moradias com certeza muito piores e o custo de R$ 74,9 mil, com tres dormitorios e dois dormitórios, com valor de R$ 54,9 mil não dá com este mesmo valor, para a pessoa comprar um terreno (onde ela quiser) e fazer uma casa melhor, com certeza ! e tem mais, as escrituras estão sendo registradas em cartorio gratuitamente, pesquise quanto sai a escritura de um imóvel no cartorio ? primeiro tem que fazer a documentação no cartorio de notas, nunca menos de R$ 900,00 depois tem que registrar no Registro de Imoveis, nunca menos de R$ 1.000,00 – só aí tá um presentinho de quase 2 mil reais com o agraciado pelo programa MCMV, sejamos coerentes: ainda não tá bom ? e o terreno saiu de graça doado pelo município.

Bom, não considerando o trecho em que o leitor de mostra um tanto quanto, digamos, preconceituoso socialmente falando, a idéia fica um pouco confusa, mas dá para perceber que ele está concordando com a linha geral do programa MCMV. Diz que o terreno é grande, mas esquece que nele há uma edificação. Depois diz que área deste porte, sem a casa, pode ficar na casa dos R$ 50 mil. Sim, pode, já que Olímpia experimentou, nos últimos dois anos, um “boom” ensurdecedor no setor imobiliário, supervalorizando alugueis (a ponto até de, em alguns casos, inviabilizar investimentos comercias na cidade), imóveis e terrenos (embora há exemplo de condomínio onde, por cerca de R$ 80 mil, se tem o terreno e a casa pronta, de muito boa qualidade, com prestações de R$ 490. É só pesquisar).

Quanto a “ser um avanço” para muitas pessoas, também não há dúvidas que será. Se não um avanço, pelo menos um alento. Já que para quem não tem nada, ter uma casa destas será considerada, embora erroneamente, uma “dádiva”. Quanto a não ser uma iniciativa do Governo local vimos falando isso desde o início. O Governo local é que insiste em fazer crer que é sua a iniciativa. Sobre o “presentinho” de R$ 2 mil trataria-se, pois, de um “presente de grego”, porque esta transação está sendo paga com dinheiro público.

E quanto ao terreno “de graça doado pelo município” lembramos que nada que envolve a relação poder-público cidadão-contribuinte é de graça. Na verdade, é tudo pago com dinheiro dos impostos. Portanto, pago pelo cidadão agraciado. O município, para poder “doar” para o mutuário, antes teve que comprar. E comprar com o dinheiro dos cofres públicos, que é proveniente dos impostes, que é pago por este mesmo cidadão. Portanto, de graça, onde, Jorge?

ARRUMANDO
A CASA
O prefeito Geninho (DEM) empossou na manhã de hoje, terça-feira, o novo diretor do subdistrito de Ribeiro dos Santos. Trata-se de Valter de Moura e Silva, o “Pé-de-Ferro”, que já ocupou esse cargo no governo Carneiro. O servidor Maurício Antonio Ângelo, que vinha desempenhando a função, foi exonerado. O prefeito teve que alterar a LC 52, de fevereiro de 2008, cujo projeto de Lei Complementar 118/2011, tornou-se a Lei Complementar 93, de 16 de agosto de 2001, baixando o resquisito para provimento do cargo, cuja exigência passou de Ensino Médio, para Ensino Médio Completo ou em Curso. Foi a forma que o alcaide encontrou para encaixar o novo diretor, que receberá salário de R$ 3,7 mil. Tudo isso faz parte de um rearranjo político no distrito, visando as eleições do ano que vem.

Até.

DESMISTIFICANDO O ‘MINHA CASA, MINHA VIDA’

Na primeira vez que postei neste blog um tema tratando do conjunto habitacional “Village Morada Verde”, dentro do programa “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal, implantado em Olímpia por meio de financiamento bancado pela Caixa Econômica Federal-CEF, a repercussão foi estrondosa, com direito a ameaças de processos, chiliques de apaniguados do poder e pronta reação da empresa responsável pelas obras, a Pacaembu Construtora, de São Paulo.

Também, não foi para menos, o post. Denunciava fatos desabonadores ao empreendimento, o que depois foi sanado com a pronta intervenção da incorporadora. Embora ao longo deste tempo de construção a obra tenha sido alvo de outros acontecimentos menores, mas que agora parecem estar sanados de vez. Uns e outros ainda tentaram insuflar a opinião pública contra este blog – e este blogueiro então se tornou persona non grata aos olhos dos responsáveis pelo canteiro de obras – mas acabou se tornando do conhecimento público as pontuais avarias de percurso no tocante ao pessoal, nada no aspecto técnico.

Agora, volto ao assunto para reverberar o que parece ser opinião de grande parte, se não da maioria dos adquirentes de uma destas casas do conjunto: o tamanho delas. E, de fato, fizemos uma busca e apuramos que as tais casas, sejam de dois ou três dormitórios, têm quase a mesma medida de um imóvel da Companhia do Desenvolvimento Habitacional e Urbano-CDHU, conforme as medidas daquelas a serem construídas no conjunto III da Companhia, em Olímpia. Estas casas terão em torno de 44 m² de construção, e dois dormitórios.

E são casas que, além de terem prestações que não deverão chegar aos R$ 190 mensais, têm projetos especiais, já que serão dotadas de aquecedor solar, muro, garagem e paisagismo. Já os festejados imóveis do “Minha Casa” terão 160 metros quadrados de terreno, possuindo um banheiro revestido, sala, cozinha parcialmente revestida, telha de concreto e área para ampliação. São casas com 54,38 metros quadrados de área construída (apenas 10,38 m2 a mais), com três dormitórios, no valor de R$ 74,9 mil, e casas com 36,72 metros quadrados (7,28 m2 a menos) e dois dormitórios, com valor de R$ 54,9 mil.

A planta das casas será entregue com pouco mais de 70 metros quadrados (já contemplando as áreas a serem ocupadas com a ampliação do imóvel). O conjunto é voltado para famílias com renda total de até cinco salários mínimos – R$ 2.725. Existe um modelo alternativo, o qual é a própria prefeitura que constrói, e os imóveis são sorteados, à moda dos CDHU’s e Cohab’s, commprestações em torno de R$ 50 mil. Mas, estranhamente, é destinado a cidades com população acima de 50 mil habitantes.

O modelo que veio para Olímpia é para quem ganha de três a seis salários mínimos, financiamento direto com a CEF e terreno doado pelo município (que terá, ainda, que gastar outros R$ 2 milhões para aterrar as lagoas do Córrego dos Pretos; a área, consta, teria custado R$ 4 milhões). O que torna este assunto polêmico é o valor das prestações do MCMV. Ao contrário dos “R$ 200 a R$ 250” anunciados inicialmente, os mutuários estão pagando quase R$ 550 pela casa de três quartos, e quase R$ 350 pela de dois quartos.

Alguém vai dizer: “Mas, haverá uma área para ampliação nos fundos”. Sim, como, também, o próprio mutuário é quem deverá construir calçada, muro e garagem, porque o conjunto será entregue sem estas benfeitorias. E, para tanto, terá que desembolsar um bom dinheiro. Neste âmbito, o que fez o prefeito, na sexta-feira em que mais de 200 mutuários estiveram na Casa da Cultura buscando suas escrituras? Deu uma informação no mínimo duvidosa, a menos que ele, com suas influências na capital, tenha conseguido mudar até o estatuto do Banco do Povo Paulista.

Ele disse que os futuros moradores do “Village” já têm “crédito pré-aprovado de até R$ 7,5 mil para, se quiserem, ampliar de acordo com as suas necessidades a moradia que será entregue em setembro”. Sabedor de que “muitos irão querer mais um dormitório, ou ampliar a cozinha, ou mesmo fazer uma varanda ou muro”, foi que ele disse ter “conversado” com o Banco do Povo, “e eles (banco) irão atender ao mutuário, mas apenas para ampliação das casas”.

Na fala do prefeito, dois pontos a destacar: primeiro, que já fica claro o que o comprador não vai encontrar no seu imóvel. Segundo, que ele não precisava chegar a tanto, prometer empréstimo a eles. Mostrando descohecimento das atribuições do Banco do Povo Paulista, que destina-se “ao pequeno empreendedor formal ou informal que morem ou tenham negócio no município há mais de dois anos, ou estejam produzindo pelo menos há seis meses no município”. E, não, o Banco do Povo não empresta dinheiro para reforma, ampliação ou construção de casa ou qualquer outro tipo de edificação. Em hipótese alguma.

O Banco do Povo financia máquinas, computadores, ferramentas, maquinas de costura, retíficas de motores de caminhão, reforma dos estabelecimentos comerciais, compra de móveis para salões de cabeleireiro, etc. “Os futuros mutuários já têm crédito pré-aprovado de até R$ 7,5 mil para, se quiserem, ampliarem de acordo com as suas necessidades a moradia que será entregue em setembro (…). Já conversei com o Banco do Povo e eles irão atender ao mutuário, mas apenas para ampliação das casas”. Foi a promessa do prefeito. Por quê? Talvez simplesmente por falta de algo bom a dizer ali, por má fé, ou desconhecimento.

Até.

A CRISE DA S. CASA E O JORNALISMO DE ‘GAVETA’

Se a voz do povo é a voz de Deus (vox populi vox dei), como dizem, neste caso específico, o vaticínio está correto. Porque foram muitas as contestações populares quanto ao que falava o provedor da Santa Casa de Misericórdia de Olímpia, Marcelo Galette, na entrevista à Rádio Menina-AM na tarde de ontem, quinta-feira, 26. Pode até ser que Galette estivesse imbuído do melhor espírito da verdade, ainda que uma verdade sua, mas deixou transparecer para quem ouvia, que apenas tergiversava sobre o assunto. Claro está que não sinalizou nenhuma possibilidade de solução dos problemas havidos naquele hospital.

Ao contrário, fez a cantilena de todos os demais adminsitradores que por lá passaram antes dele, embora de forma melopéica, no seu caso, e cobrou as velhas cobranças, também as mesmas cobradas por aqueles que por lá passaram. Uma tentativa de justificar a crise com problemas “históricos”. Galette chegou a se irritar em alguns momentos, mas não mostrou saídas para a Santa Casa. A culpa é da falta de colaboração dos prefeitos da microrregião, do setor de turismo – hotéis, pousadas e Thermas, o agronegócio canavieiro e até da população da cidade.

Mas, não há culpa do nosso burgomestre neste cartório, pelo que Galette deixou passar. A arrogância e a prepotência, até mesmo a violência com que o alcaide e sua secretária de Saúde, Silvi Storti, arrancaram de lá a diretoria apolítica após quatro anos de uma gestão reconhecidamente positiva, não ganharam destaque nas falas do provedor. Ao contrário, o provedor preferiu não só isentar o prefeito de culpa, como também “endeusá-lo”, dizendo que ele tem feito pelo hospital o que não faz, seguramente.

E é claro que o blog oficioso não poderia deixar de meter o bedelho no assunto, claro, da forma enviesada na qual é expert. Após a entrevista, estava lá que Galette foi à emissora “rebater as constantes críticas de seus apresentadores e de alguns veículos de imprensa que, nas últimas semanas, colocaram a Santa Casa num turbilhão de acusações de mau atendimento e até omissão de socorro”. A culpa, pois, é dos apresentadores da emissora, e de veículos da imprensa. Não de quem tudo fez para estar ali, para derrubar quem trabalhava visando apernas e tão somente o bom funcionamento daquela instituição.

E a jóia da tarde foi a garantia dada por Galette de que “ninguém fica sem atendimento na Santa Casa”. Sem exagero, tal declaração enfureceu ouvintes nos quatro cantos da cidade. Da mesma forma que se enfureceram quando Galette disse que o plantão à distância “está funcionando normalmente, com as seis especialidades exigidas por lei, embora não recebendo em dia”. Portanto, não é fora da normalidade concluir-se que este governo está absurdamente dissociado da sociedade olimpiense e, pior ainda, também da realidade olimpiense.

Nesta mesma esteira seguem os asseclas do poderoso de turno, aqueles para quem tudo é possível em nome do chefe. Mesmo que depois tenham que, na cara-de-pau, voltar atrás naquilo que publicou ou falou. E este miserável blogueiro confessa jamais ter visto, em toda sua vida profissional de rádio e jornalismo – e lá se vão 30 anos – algo como se viu agora: um texto noticioso ser simplesmente mudado, ter seu conteúdo primeiro modificado, termos “amenizados”, adjetivos trocados. A começar do título da matéria que passou a ser: BOMBA: SANTA CASA PROVA QUE DONA DE CASA FOI ATENDIDA E FILME MOSTRA ZANOLLI FOTOGRAFANDO. Perceberam como o enfoque foi totalmente outro?

E veio o título após a indicação de que se tratava de uma “atualização”. Atualização? Isso só ocorre no jornalismo escrito, radiofônico ou televisivo quando se tem algo a acrescentar ao texto, à informação, e não quando se quer extrair dele a acidez, a agressividade, a ofensa gratuita, etc. Neste caso específico, onde não havia nada de novo a acrescentar à denúncia, mas, sim, havia a necessidade de corrigir um mal-feito, melhor seria ter redigido uma “sequência” colocando os pingos nos “is”, mudando o enfoque e até mesmo fazendo um mea-culpa quanto ao que havia sido afirmado antes.

Para quem leu a “bombástica” matéria no blog em questão, deve se lembrar como foi narrada a queda da vítima Fernanda dos Santos Silva  da cadeira de rodas. Pois bem, na matéria “atualizada”, ela ficou assim: “O Ministério Público tem um filme em que mostra o jornalista da Folha da Região, Willian Antonio Zanolli, conversando (grifos nosso) com Fernanda, que estava numa cadeira de rodas e, depois, ela escorregou da cadeira, e Willian a fotografou.” Até então Zanolli havia cochichado e a moça tinha sido empurrada da cadeira pela sua parente (no caso, irmã). E mais: o filme, gravado pelas câmeras de segurança da Santa Casa mostra que após a conversa com Zanolli, “ela escorregou lentamente da cadeira”, diz o texto “atualizado”.

Jamais imaginei viver para ver coisa igual em jornalismo. O texto ser mudado no mesmo corpo da matéria, a notícia ser refeita, amenizada, quando o mais fácil seria redigir outro texto sobre o mesmo assunto, porém, se explicando e até – por que não? – pedindo desculpas pelo juízo apressado e perigoso que se fez da informação. Até porque o delito dado e julgado como certo virou “possível encenação armada pelo assessor da Folha da Região”.

No final do texto, a justificativa do responsável pela publicação: “O Blog do Concon atualiza sempre as suas informações. Como o referido filme é objeto de investigação no Ministério Público, e como houve, erroneamente, uma interpretação apressada dos fatos, este Portal tratou de corrigir o que foi publicado, tanto em respeito à vítima, quanto ao Ministério Público e mesmo ao jornalista da Folha da Região, tido como assessor e colaborador. Em nenhum momento este Blog quis denegrir a imagem de alguém, ou mesmo foi dirigido por alguém, já que possui identidade própria. Vamos aguardar a investigação do MP.”

Tudo o que diz qualquer manual de redação vem de encontro ao que fez Concon com esta informação. E tudo o que não diz qualquer manual de redação foi o que Concon fez com sua “atualização”. Se for medo de qualquer atitude visando reparar danos, melhor seria o blogueiro pedir desculpas explícitas. Porque fazer da forma como fez deixa claro que seus textos são, sim, manipulados por quem quer detratar seus críticos, seus adversários. Em suma, jornalismo de “gaveta”.

PS: E antes que alguém pergunte ‘O que Marcelo Galette está fazendo na Santa Casa, levando tanta bordoada e se desgastando perante a sociedade, se não tem nenhuma pretensão política, ou coisa que o valha?”, eu arrsico dizer que possivelmente este quadro mudará em breve. Galette tem muitos afazeres e sua presença à frente do hospital estaria com os dias contados. Mas, um sopro de vento nos diz que o prefeto Geninho (DEM) poderá tomar uma decisão em relação à administração do hospital que tem tudo para não dar certo. Porque a medida, acreditamos, despersonalizará, ou melhor, “despessoalizará” a gestão do hospital. Esperar para ver.

Até.

MAIS SOPA (INDIGESTA?) DE LETRINHAS

Na chamada “república de Votuporanga”, ninguém que tenha vindo de lá morrerá “pagão”. Porque têm um forte padrinho. No caso, o prefeito Geninho (DEM), que é sempre “mão-aberta” quando se trata de seus amigos daquela cidade do noroeste paulista. O exemplo mais revelador disso está na empresa Laraya, Laraya e Laraya Ltda-ME, de Marcos Laraya, parceiro de Walter José Trindade, diretor-superintende do Daemo, ambos chegados por aqui, como se diz à antiga, na mesma “condução”. Trindade, para dirigir o Daemo, já que segundo a versão do prefeito ele revolucionou o setor na cidade de origem – sem bem que teve que ir às pressas “consertar” o rombo da prefeitura, ano passado – e Laraya para prestar consultoria.

Porém, ao que tudo indica, Laraya tem tido mais sorte por aqui do que Trindade, caso ambos não sejam sócios na empresa de Gestão Pública de Recursos Humanos e Administração contratada pelo prefeito a partir do início de 2010. De lá até aqui, a empresa já contratou com o município, nada menos que R$ 671.520, salvo algum outro contrato que tenha passado despercebido nas buscas feitas pelo blog. Não é à toa que o descontentamento no seio do Governo – vindo do grupo que ancorou Geninho quando ninguém dava crédito para sua candidatura – é grande.

Porque, mal chegado à cidade, Laraya já fechou um contrato com a prefeitura, por meio da tomada de preços nº 23/2009, para “gerenciamento de projetos”, no valor de R$ 303,6 mil. Depois, em 12 de abril deste ano fechou outro, por R$ 288.960, por meio da Tomada de Preços 05/2011, adjudicada e homologada em favor da empresa de Votuporanga para “prestação de serviços em Gestão Pública de Recursos Humanos e Administração na área de Licitações e Contratos”.

E, por fim, um novo contrato, desta vez com o próprio Daemo. Por meio da licitação 13/2011, na modalidade convite pelo menor preço global, e processo administrativo interno 23/2011, a Laraya, Laraya faturou mais R$ 78.960 daquele Dapartamento, dirigido pelo provável sócio da empresa, Trindade. Total dos três contratos? R$ 671.520, ou, se divididos por 24 meses, dão um total de R$ 27.980 por mês. Agora é que a trupe vai chiar mais ainda.

VAI COMEÇAR
Fontes dão conta de que a partir do dia 1º de junho a “tropa de choque” do prefeito Geninho começará a se mobilizar em torno de afazeres radiofônicos. Segundo esta fonte, teria sido fechado acordo entre o grupo no poder e a emissora de rádio que até pouco tempo atrás era fiel escudeira do Governo Municipal, depois passou a ser desafeta, até ser fechada pelo próprio alcaide, e agora deverá retornar com nuances governistas, onde dois “assessores” cuidarão da programação “noticiosa”, consta que por duas horas diárias. Quanto custará? Os números, divergentes, falam em R$ 5 mil a R$ 20 mil por mês. Resta saber de que caixa irá sair tal montante.

FESTA NO PALÁCIO
O prefeito Geninho ainda não se cansou de “festejar” a aprovação de suas contas de 2009 pelo Tribunal de Contas do Estado, o TCE. Depois das bravatas da semana passada, esta semana “disparou” e-mails de forma indiscriminada, com o texto da publicação da decisão no Diário Oficial do Estado. Mas, a publicação revela um detalhe: o TC-000485/026/09 tinha de “prontidão” para qualquer eventualidade, um dos maiores escritórios de advocacia de São Paulo, com sede na Vila Olímpia, cujo “cast” é composto por nada menos que 16 causídicos, entre titulares, sócios e estagiários, o Dal Pozzo Advocacia.

Assinaram o processo, nada menos que três advogados dali – Antônio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, e o procurador do Município, Edilson César de Nadai “e outros”. O que se pergunta é: se a aprovação das contas era algo assim tão óbvio e certo como quer fazer crer o prefeito, então porque uma banca tão cara de advogados? Mas, a leitura atenta do texto talvez responda isso, já que, junto às contas, foram analisados nada menos que 10 “apartados” (questões que são julgadas à parte do processo, e provavelmente a razão da contratação deste “esquadrão” de operadores da lei).

Acompanharam o TC-000485/06/09 e o TC-035373/026/10, os expedientes: TC-000147/008/10, TC-000270/008/10, TC-000931/008/10, TC-001042/008/09, TC-006578/026/10, TC-017509/026/10, TC-019333/026/10, TC-027077/026/09 e TC-038666/026/09. Percebam, no teor da decisão, que as coisas não são bem assim como quer fazer valer o alcaide.

O texto é o seguinte: “Pelo voto dos Conselheiros Fulvio Julião Biazzi, Relator, e Antonio Roque Citadini, Presidente, bem como pelo do Substituto de Conselheiro Marcos Renato Böttcher, a E. Câmara decidiu emitir parecer favorável à aprovação das contas da Prefeitura Municipal de Olímpia, exercício de 2009, excetuando-se os atos porventura pendentes de apreciação por este Tribunal, determinando a expedição de ofício ao Executivo, à margem do parecer; arquivamento dos processos mencionados no referido voto, cujos assuntos foram abordados em itens específicos do relatório; e à Fiscalização responsável que observe o cumprimento das correções noticiadas.”

E NAS DE 2010,
MAIS ‘SUADOURO’?
Se o nobre leitor tiver paciência e tempo, leia abaixo o “quantum” que há no TCE em exame, provavelmente para as contas do ano passado. E também o “quantum” de vezes que foi pedida vistas a processos em análise naquele órgão: 

Processo: TC-000717/008/10 Representantes: Priscilla Seno Mathias Neto Foresti e João Batista Dias Magalhães (Vereadores da Câmara Municipal de Olímpia). Representados: Eugênio

José Zuliani (Prefeito), Alaor Tosto do Amaral (Pregoeiro) e Demop Participações Ltda. (Contratada). ASSUNTO: Comunica a ocorrência de possíveis irregularidades praticadas pela Prefeitura Municipal de Olímpia, referentes ao Pregão Presencial nº 40/2010 para Registro de Preços, que teve por finalidade a contratação de empresa para execução de serviços comuns de recuperação, reperfilamento, recapeamento asfáltico, manutenção asfáltica, tapa-buracos e sinalização horizontal em solo, em diversas vias públicas do município, com fornecimento de material, mão de obra, máquinas e equipamentos. TC-001253/008/10 Contratante: Prefeitura Municipal de Olímpia. Contratada: Demop Participações Ltda. Autoridade Responsável pela abertura do Certame Licitatório, pela Homologação e que firmou o Instrumento: Eugênio José Zuliani (Prefeito). Objeto: Execução de recapeamento asfáltico em diversas vias do município, conforme Convênio nº 763/2010, firmado com a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado. Em Julgamento: Licitação. Pregão. Ata de Registro de Preços de 22-04-10. Contrato celebrado em 19-07-10. Valor -R$149.999,61. Advogados: Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, Edilson César de Nadai e outros. TC-001254/008/10 Contratante: Prefeitura Municipal de Olímpia. Contratada: Demop Participações Ltda. Autoridade que firmou o Instrumento: Eugênio José Zuliani (Prefeito). Objeto: Execução de recapeamento asfáltico em diversas vias do município, conforme Convênio nº 300/2010, firmado com a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado. Em Julgamento: Licitação. Pregão. Ata de Registro de Preços de 22-04-10 (tratados no TC-001253/008/10). Contrato celebrado em 19-07-10. Valor -R$149.999,61. Advogados: Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, Edilson César de Nadai e outros. TC-001255/008/10 Contratante: Prefeitura Municipal de Olímpia. Contratada: Demop Participações Ltda. Autoridade que firmou o Instrumento: Eugênio José Zuliani (Prefeito). Objeto: Execução de recapeamento asfáltico em diversas vias do município, conforme Convênio nº 764/2010, firmado com a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado. Em Julgamento: Licitação. Pregão. Ata de Registro de Preços de 22-04-10 (tratados no TC-001253/008/10). Contrato celebrado em 19-07-10. Valor -R$1.009.826,89. Advogados: Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, Edilson César de Nadai e outros. TC-001256/008/10 Contratante: Prefeitura Municipal de Olímpia. Contratada: Demop Participações Ltda. Autoridade que firmou o Instrumento: Eugênio José Zuliani (Prefeito). Objeto: Execução de recapeamento asfáltico em diversas vias do município, conforme Convênio nº 1625/2010, firmado com a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado. Em Julgamento: Licitação. Pregão. Ata de Registro de Preços de 22-04-10 (tratados no TC-001253/008/10). Contrato celebrado em 19-07-10. Valor -R$50.254,54. Advogados: Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, Edilson César de Nadai e outros. Auditada por: UR-8 – DSF-I. Auditoria atual: UR-8 – DSF-I. TC-001257/008/10 Contratante: Prefeitura Municipal de Olímpia. Contratada: Demop Participações Ltda. Autoridade que firmou o Instrumento: Eugênio José Zuliani (Prefeito). Objeto: Execução de recapeamento asfáltico em diversas vias do município, conforme Convênio nº 1728/2010, firmado com a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado. Em Julgamento: Licitação. Pregão. Ata de Registro de Preços de 22-04-10 (tratados no TC-001253/008/10). Contrato celebrado em 19-07-10. Valor -R$149.998,16. Advogados: Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, Edilson César de Nadai e outros. TC-001258/008/10 Contratante: Prefeitura Municipal de Olímpia. Contratada: Demop Participações Ltda. Autoridade que firmou o Instrumento: Eugênio José Zuliani (Prefeito). Objeto: Execução de recapeamento asfáltico em diversas vias do município, conforme Convênio nº 1729/2010, firmado com a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado. Em Julgamento: Licitação. Pregão. Ata de Registro de Preços de 22-04-10 (tratados no TC-001253/008/10). Contrato celebrado em 19-07-10. Valor -R$553.534,41. Advogados: Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo, João Negrini Neto, Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, Edilson César de Nadai e outros. Notifico os interessados retro nominados para tomarem conhecimento da representação contida no TC-000717/008/10, bem como das impropriedades suscitadas pela Auditoria nos processos epigrafados, fixando aos mesmos, nos termos e para os efeitos do inciso XIII, do artigo 2º da Lei Complementar nº 709/93, o prazo comum de 30 (trinta) dias para os esclarecimentos que julgarem oportunos. Autorizo, desde já, vista e extração de cópia dos autos, observadas as disposições legais e regulamentares. Apresentados os esclarecimentos ou decorrido o prazo sem ação dos interessados, manifeste-se ATJ. Ao Cartório para as providencias necessárias.
Proc:TC-472/008/09.Exp:TC-41559/026/10.Interessada: Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/ SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto,(OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu,(OAB/SP nº 301.007). Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-472/008/09. Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-472/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Publique-se.

Proc:TC-464/008/09.Exp:TC-41558/026/10.Interessada: Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/ SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto,(OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu,(OAB/SP nº 301.007). Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-464/008/09. Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-464/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Publique-se.

Proc:TC-466/008/09.Exp:TC-41555/026/10.Interessada: Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/ SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto,(OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu,(OAB/SP nº 301.007). Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-466/008/09. Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-466/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Publique-se.

Processos:TC-485/026/09 e TC-485/126/09.Expedientes: TC-41529/026/10 e TC-41543/026/10.Interessada:Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito. Procuradores: Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto,(OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, (OAB/SP nº 301.007). Assunto:Vista extração de cópias dos processos TC-485/026/09 e TC-485/126/09.Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-485/026/09 e TC-485/126/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Publique-se.

Proc:TC-31162/026/08.Exp:TC-41536/026/10.Interessada: Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto, (OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, (OAB/ SP nº 301.007).Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-31162/026/08.Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-31162/026/08, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Publique-se.

Proc:TC-465/008/09.Exp:TC-41555/026/10.Interessada: Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/ SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto, (OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, (OAB/SP nº 301.007). Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-465/008/09. Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-465/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Proc:TC-11465/026/09.Exp:TC-41537/026/10.Interessada: Prefeitura Municipal de Olímpia.Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores: Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto, (OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu, (OAB/ SP nº 301.007).Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-11465/026/09.Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-11465/026/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Publique-se.

Proc:TC-467/008/09.Exp:TC-41557/026/10. Interessada:Prefeitura Municipal de Olímpia. Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto, (OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu,(OAB/SP nº 301.007).Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-467/008/09.Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-467/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.
Proc:TC-419/008/09.Exp:TC-41566/026/10. Interessada:Prefeitura Municipal de Olímpia. Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto, (OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu,(OAB/SP nº 301.007).Assunto:Vista extração de cópias do processo TC-419/008/09.Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-419/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Proc: TC-468/008/09.Exp:TC-41554/026/10. Interessada:Prefeitura Municipal de Olímpia. Requerente:Eugênio José Zuliani, Prefeito.Procuradores:Dr. Antonio Araldo Ferraz Dal Pozzo,(OAB/SP nº 123.916), Dr. João Negrini Neto, (OAB/SP nº 234.092) e Dr. Steban Saavedra Sandy Pinto Lizarazu,(OAB/SP nº 301.007).Assunto: Vista extração de cópias do processo TC-468/008/09.Concedo vista e extração de cópias de peças indicadas, do processo TC-468/008/09, no Cartório, onde tais autos ficarão à disposição do requerente e ou procuradores pelo prazo de cinco (5) dias, contados da publicação deste despacho, observadas as cautelas de estilo.

Até.

HOJE É SOPA (INDIGESTA?) DE LETRINHAS

Quando em um post passado perguntamos o que pretendia o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Olímpia com um contrato de R$ 148.999,60 com a Novamar Ambiental e Construtora Ltda-EPP, ainda não sabíamos exatamente do que se tratava. Depois, passados alguns dias, obtivemos a informação de que este montante serviria para que fossem feitas no prédio próprio adquirido pela diretoria, “adequações exigidas por lei”, conforme disse a presidente Mércia Albano, para deficientes e idosos. E no que consiste a obra? Na implantação, na casa da Deputado Waldemar Lopes Ferraz, de rampas no quintal e suportes nos banheiros. Nada além disso, nos garantiu a presidente.

Mas, a nossa “ficha” não “caiu” naquele momento. Ela só veio a “cair” hoje no começo da tarde, quando em entrevista ao Cidade Aberta, da Rádio Menina-AM, o vereador peemedebista João Magalhães subverteu a ótica. Ele partiu do valor pago ao prédio – R$ 350 mil no ano passado, para dimensionar o dinheiro a ser gasto ali com a rampa e o suporte. “Equivale a quase metade do valor do imóvel”, disse. Foi quando acendeu a luz da compreensão do tamanho do absurdo.

Feitas as contas, apuramos que a empresa de propriedade do jovem Marcelo Alencar, sobrinho de Jayr Alencar, diretor de Gabinete do prefeito Geninho (DEM), está executando o trabalho a um preço equivalente a 42.57% do que foi pago pelo prédio inteiro, recebido do proprietário sem nenhuma avaria, porque recém-reformado. Ou seja, a diferença no valor é de R$ 201.000.40, entre o que se pagará pela obra, e o que se pagou pela sede própria. Independentemente do que se vai fazer ali, é de pasmar tal gasto. E ainda que o valor seja o correto, ficamos imaginando tamnha sofisticação desta rampa e dos suportes no banheiro.

A empresa do sobrinho de Jayr Alencar foi escolhida mediante carta-convite, que é a modalidade de licitação utilizada para contratações de menor vulto – guardadas as devidas proporções, ou seja, para a aquisição de materiais e serviços até o limite de R$ 80 mil, e para a execução de obras e serviços de engenharia até o valor de R$ 150 mil. Ou seja, Alencar deu preço R$ 1.000,40 abaixo do limite, para que a prefeitura pudesse fugir da licitação ou tomada de preço, o que possibilitaria maior concorrência. Ou o blog está equivocado?

FATUROU MENOS
MAS GASTOU IGUAL

Segundo publicação à página 13 da Imprensa Oficial do Município-IOM, de sábado passado, 21, o mês de abril teve arrecadação total menor que março. Entraram nos cofres públicos, no mês passado, menos R$ 1.288.797 em tributos e repasses, e menos R$ 520.963 só em tributos. Somados, os dois meses significaram uma entrada de R$ 11.506.699 só em tributos, resultando em R$ 18.561.517 em recursos totais, no caixa da prefeitura. Do arrecadado em abril – 8.223.517,28, o prefeito Geninho gastou, dentro do rateio na rubrica “outras” (despesas), 59.75% do total – R$ 5.147.549,53.

Na somatória publicada também à página 13 da IOM no mês passado, em cumprimento ao artigo 162 da Constituição Federal, conforme a tabela com os valores arrecadados em tributos e recursos recebidos durante o mês de março, os valores chegaram a R$ 10.338.793,77, dos quais 62,5% – R$ 6.359.150,34, foram gastos sob a rubrica “outras” no ítem “rateio” das despesas, que o quadro não especifica quais são.

GUTO LEMBROU
O vereador Guto Zanertte deu a entender, na noite de ontem, a este blogueiro, que havia se “esquecido” de que não tinha ido com seu carro receber a condecoração na Casa da Fazenda, em São Paulo, instituição militar da qual faz parte Tarcísio Aguiar, eleito recentemente conselheiro tutelar em Olímpia. Fomos alertados pelo leitor Raimundo, em comentário postado em 21 de maio, com o seguinte teor:

Prezado Orlando o Vereador Guto te enganou hein!!!!!, o carro dele estava com um rapaz e uma moça num posto em Nhandeara. O carro é do vereador, um Fiesta preto com adesivo http://www.gutozanette.com.br.

Isto porque Zanette havia nos dado uma resposta, quando o questionamos sobre o recebimento da condecoração, via Facebook, se iria com dinheiro próprio e carro próprio, já que não estava a serviço da Câmara e, sim, viajando por interesses particulares. Ele nos garantiu que havia ido com dinheiro próprio e carro próprio. Ontem, ao relatarmos a ele o comentário recebido no blog, ele se “lembrou” de que realmente não tinha ido com seu próprio carro. Havia emprestado o veículo para um primo – por isso foi visto em Nhandeara – e viajado com junto com Tarcisio Aguiar, no carro deste. Zanette teria sido um dos políticos que, nos bastidores, pediu votos para Aguiar na disputa por uma vaga no Canselho Tutelar.

HORA DE CONTAR
OS MORTOS?

Episódio triste este envolvendo o Governo Municipal, a Secretaria Municipal de Saúde, a Santa Casa e o cidadão Willian Zanolli, além de um site oficioso de notícias que não prima pelos pudores jornalísticos quando tem inimigos do rei a detratar. Parece que a coisa não vai ficar por aí, já que acaba de ganhar foros extra-cidade, chegando à Procuradoria Geral de Justiça do Estado, onde foi protocolada, na quinta-feira da semana passada, representação pedindo a intervenção estadual no hospital local, pelos desmandos e total falta de capacidade de gerenciamento da instituição.

As mortes, ao que parece, e conforme publicado neste final de semana pelo semanário “Folha da Região”, estariam se acumulando. Enquanto isso, o que fazem nossos representantes no poder? Tergiversam, desconversam, dão a volta por cima, caem na poeira e vão se enfiando cada vez mais no buraco de suas idiossincrasias.

ELE CHEGOU


O belo carro novo da Câmara Municipal chegou a Olímpia. É preto, já está devidamente emplacado – 0003 e à disposição dos senhores edis e, também, conforme garantiu Guto Zanette, “dos funcionários da Casa”. É assim, lembram, que o primeiro secretário da Mesa quer “valorizar” o Lagislativo. O Línea HLX 2011/2011, quatro portas, custou R$ 57.300, pagos à vista, e “abaixo do valor do mercado”, segundo Zanette.

PEGA-PEGA
Nos bastidores da política local a coisa anda fervendo. Pode não parecer, mas tem uns e outros querendo pegar uns e outros, que têm atravessado seus caminhos. Na surdina está se processando um verdadeiro “safári” humano. Tem gente achacando gente, tem gente sofrendo ameaças de gente, como também tem gente tentando seduzir parceiros/as de outros, e gente prometendo “jogar duro” se isso tudo não tiver um fim. E ainda não estamos nem perto da campanha eleitoral.

FALANDO NISSO
Numa cidade bem distante, dizem que chamada Ectrópion, um alto assessor do mágister local, teria (in)confidenciado a um parceiro, que este mesmo mágister não iria, de maneira nenhuma, perder o próximo périplo rumo ao Castel Nine. Se for necessário, confidenciou o tal assessor, “ele quebra todas as finanças, mas não sai de lá”. Pois é, lá como cá, o poder embriaga e gruda na alma.

Até.

BENDITO SEJA O TCE!

O prefeito Geninho (DEM) e seus asseclas estão “vendendo” a aprovação das contas do primeiro ano de governo pelo Tribunal de Contas do Estado-TCE, como se fosse a “jóia da coroa”. Se dão até o direito de ficarem irritados com os veículos que não publicaram a “boa nova”. Dá a impressão de que na verdade, há uma indisfarçável sensação de alívio no seio da administração. Alívio porque as contas, eventualmente, poderiam não ser aprovadas. O que enterraria, de vez, as pretensões de bom-mocismo do prefeito.

Para embasar esta linha de raciocínio basta considerarmos que é a primeira vez na história política do município, pelo menos que me lembre, que um alcaide deixa todos os seus afazeres para ir à Capital assistir de perto a votação de contas. Mais um ineditismo a ser creditado à performance genista. Mas, não ficaria em paz nenhum burgomestre, se tivesse nas mãos dos conselheiros do TCE uma conta e tantos “apartados” – foram nada menos que 12. Talvez aí residisse o temor do alcaide. E sua presença nas galerias talvez tivesse o fim de evitar surpresas.

Uma vez aprovadas as contas nestas circunstâncias, então há que se fazer mesmo muito barulho, e muitas “bravatas”. Mas, há rumores de que o corre-corre foi grande em torno destas contas. Muitos pedidos de explicações, muitas observações sobre determinadas ações, muitas justificativas. Não foi um mar de rosas chegar a este resultado positivo que o alcaide quer fazer parecer natural. Porque não foi algo natural. Não foi exatamente, para usar as próprias palavras do comandante de turno, “a maior chancela de credibilidade” de sua gestão. E o resto que se falar pela cidade não será, exatamente, “conversa fiada”, conforme quer Geninho.

A cidade ainda não tem a informação por completo desta aprovação de contas. Aguarda-se, por exemplo, a publicação do parecer (acórdão), para se poder analisar as “recomendações” e “determinações” apostas às contas em questão. Porque se houve “recomendações” e, pior, “determinações”, é sinal de que as coisas não estavam assim tão, digamos, passíveis de “chancelamento”.

Mas, de nada adianta discorrermos mais sobre o tema, porque a necessidade que sentiu o prefeito de estar presente à votação no TCE; os tantos “apartados” analisados; as “recomendações” e “determinações” e, por fim, a necessidade que sentiu o alcaide de fazer tanto barulho em torno do resultado, falam por sí: Foi um alívio a aprovação destas benditas contas!

Até.

ACUSAR ZANOLLI SOLUCIONA A SANTA CASA?

A melhor defesa é o ataque. Esta máxima de domínio público acaba de ser transformada em principal escudo do Governo Municipal visando encobrir sua notória incapacidade de gerenciamento do setor da Saúde, mormente a Santa Casa de Misericórdia de Olímpia, que caminhava para uma situação de plena  tranquilidade, e que a partir da usurpação de sua administração pelo prefeito Geninho (DEM), e sua secretária municipal de Saúde, Silvia Storti, tornou-se um pandemônio.

Na realidade, sem saber exatamente por onde sair da embrulhada em que a arrogância e a prepotência os levou, o Governo Municipal parte ferozmente para o ataque, com fins defensivos. Com pretensões de defender o indefensável, justificar o injustificável, ou pelo menos jogar uma grossa cortina de fumaça sobre o assunto, tão rumoroso no seio da opinião pública, e tão desgastante para os gestores municipais. O prefeito e sua secretária – que insistem em inculcar nos cidadãos que nada têm a ver com a gestão do hospital, foram, mais uma vez, buscar guarida junto ao Ministério Público.

A “bala de prata”: Conforme o blog oficioso de Leonardo Concon, há suspeitas de que as fotos da dona-de-casa caída dentro do PS podem ter sido forjadas por Willian Zanolli, colaborador do semanário “Folha da Região”, que estava lá no dia fatídico em que uma jovem mulher de apenas 29 anos, acabou morrendo implorando por socorro, ou por pelo menos uma cama onde pudesse repousar seu corpo combalido e, conforme se viu depois, às portas da morte.

Concon, que é desafeto confesso de Zanolli e não esconde o afeto que se encerra em seu coração por este Governo que aí está, saiu com esta manchete, em maiúsculas, na sua página noticiosa: “BOMBA: FOTOS DA DONA DE CASA CAÍDA DENTRO DO PS PODEM TER SIDO FORJADAS POR WILLIAN ZANOLLI”.

Claro que, antes, ele aguardou o sinal verde do Palácio da 9 de Julho, que é de onde extrai as informações oficiais, as versões que para ele são sempre suficientes para explicar as coisas desta urbe. Mas, a culpa não é dele. É apenas um inocente útil que se deixa, e se compraz, em ser usado pelos poderosos de turno.

Abrindo o texto com o selo “exclusivo”, o noticiarista disse que ”a morte da dona de casa Fernanda Silva Santos, 29 anos, no último dia 24 (…), aos poucos está sendo esclarecida de forma correta e sem o sensacionalismo que aquele jornal deflagrou”. Perceberam ali o “correta”, quando o caso ainda está sob análise no Ministério Público? Mas, Concon não tem culpa.

Segundo ainda o site, ”o Ministério Público tem um filme em que mostra o colaborador da ‘Folha da Região’ cochichando com Fernanda, que estava numa cadeira de rodas e, segundos depois, ela teria se jogado, com ajuda da pessoa que a acompanhava, para que Willian pudesse fotografar (e não o fotógrafo Sílvio Facetto, como o jornal divulgou). Ninguém a socorreu até que as fotos fossem tiradas, nem mesmo a acompanhante da mulher que aguardava a sua vez naquele Pronto-Socorro”. Percebam que a suposição já virou certeza. Mas, Concon não tem culpa.

E mais: “No levantamento do Inquérito Civil 15/2010, que está na 4ª Promotoria de Justiça do Fórum da Comarca de Olímpia, sob os cuidados da promotora Daniela Ito (Echeverria), não faltou atendimento para a vítima nas quatro vezes em que esteve naquele PS com sintomas de embriaguez, já que sofria de etilismo”. Aqui, a vítima começa a correr sério risco de virar réu. Mas, Concon não tem culpa.

O pessoal faz questão de lembrar até mesmo da expulsão de Zanolli do Conselho Municipal de Saúde, detalhe com certeza constante da representação, com o fito de passar talvez a idéia de vingança perpetrada por ele, jovenzinho ingênuo que nunca passou por poucas e boas durante o Regime Militar e não sabedor de como o poder age quando quer se safar. Diz a turma que sua expulsão foi “por infringir o artigo 28 de seu regimento interno”, ou seja, por “conduta incompatível com a função de conselheiro”.

Sim, porque neste Governo a função “compatível” de conselheiro parece ser a de assinar documentos e dizer “sim” às imposições da secretária. Zanolli, ingênuo, achou que a função era fiscalizar o andamento do setor, conferir contas, dar opinião, sugestões, e questionar situações, digamos, fora dos “trilhos”. Mas, Concon não tem culpa.

Áh!, e ele ”seria vizinho da vítima, por isso a intimidade em conversar ao seu pé do ouvido”. Puxa, eles queriam que ele gritasse: “cai aí, desvalida, que eu quero fotografar!”? Mas, o Concon não tem culpa.

“O filme, gravado pelas câmeras de segurança da Santa Casa, mostram claramente Willian conversando com a dona de casa de 29 anos. Após cochichar, ela foi empurrada da cadeira, inclusive pela sua acompanhante”. Aqui, uma grave acusação, uma conclusão sobre o que foi visto.

“A suspeita é de que tudo tenha sido tramado entre ambos para chamar a atenção e Willian poder levar fotos de impacto para a ‘Folha da Região’. O mais suspeito é que ninguém socorreu, nem mesmo a acompanhante e as câmeras flagram o ‘paparazzi’ tirando fotos à vontade”. Se você está dentro de um PS com alguém gravemente doente, e esta pessoa tem uma forte crise, o que você faz? Grita, chama alguém, espera pelo médico ou por enfermeiros. Ou não? Mas, o Concon não tem culpa.

O Inquérito Civil foi aberto porque a família de Fernanda fez denúncia de descaso, e de falta de atendimento dos médicos plantonistas, como se noticiou na ocasião. “A promotora pediu para a Santa Casa o registro do histórico do atendimento, os prontuários, as escalas dos médicos nos últimos 30 dias e também a escala dos dias em que a mulher foi atendida, entre outros pedidos”, diz o texto.

“A Santa Casa enviou a documentação para o MP com a ficha médica da paciente, comprovando que padecia da doença de etilismo e que, nas quatro vezes em que foi atendida naquela semana, com sintomas graves de embriaguez, houve atendimento e medicação, detalhando os nomes dos profissionais que a atenderam assim como a medicação aplicada. E, junto, o filme de segurança captado pelas câmeras nesses quatro dias e, finalmente, no sábado, com a possível encenação armada pelo assessor da Folha da Região”, segue o texto.

Os bombeiros atestaram que a moça já chegou sem vida ao hospital no domingo, 24. Há também declarações da médica que a atendeu no dia anterior, sábado (23), e do médico no dia seguinte. Agora, a pergunta que não quer calar: o que isso tudo vai resolver? Vai trazer alento à população que sofre na carne, o dia-a-dia turbulento na Saúde local? Vai ptrovocar melhora substancial no setor, vai trazer mais médicos para a cidade, mais plantonistas para o hospital, mais capacidade de gestão a quem tomou a frente daquela instituição médica?

O que isso vai mudar no panorama? Ainda que Zanolli, eventualmente, tenha culpa neste cartório, e nós, o povo usuário daquele PS, o que temos com isso?
Lembro que objetivo deste post não é a defesa do colaborador do jornal – que até pode ter feito tudo isso, embora duvide pelo que conheço da figura. Nem o ataque a Leonardo Concon, que de resto cumpre sua missão de porta-voz do poder. Nem, tampouco, o de exercer a crítica da razão – já que a situação está mais para elogios à loucura.

O objetivo deste post é este somente: o de colocar um ponto de interrogação nesta busca desesperada por um bode expiatório, um faits divers para anuviar o caos absoluto em que mergulharam a mais básica das atenções devida à população pelo poder público: a saúde. E fazer sangrar Zanolli publicamente não vai mudar em nada este panorama. Sua crucificação só servirá como pano de fundo a este teatro do absurdo que a comunidade olimpiense tem vivido nestes tempos de meu-deus.

Até.

A VERDADE TARDA, MAS NÃO FALHA!

O que impressiona em certos políticos é a desfaçatez. É a mentira dita como forma de encobrir a mentira descoberta. É o caso já relatado aqui, da invasão dos estúdios da Rádio Menina pelo vereador Salata, a mando do prefeito Geninho (DEM), sob a justificativa de que estava ali para “pessoalmente rebater as últimas críticas feitas pelos apresentadores em relação à sua atuação legislativa e, também, às ações do governo municipal”. Ele classificava de “críticas infundadas e sem consistência”, aquilo tudo que havia sido dito por este blogueiro enquanto radialista, e meu colega Márcio Matheus.

Vamos no ater aqui, apenas à mentira maior, porque invisível, aquela que trata do ar-condicionado doado à Santa Casa de Misericórdia de Olímpia pela benemérita Eunice Diniz, que custou R$ 30 mil e até hoje não foi instalado no Hospital do Olho e Referência-HOR, construído anexo ao hospital, também com doação da mesma alma bondosa. “Nos últimos dias, temos ouvido muitas informações mentirosas”, começou o edil a sua falação.  Ao falar sobre o HOR, entre outras coisas disse que era mentirosa a informação de que o ar não havia sido instalado e que, ao contrário, estava sim, instalado e funcionando.

“Os fatos falam mais alto do que informações jogadas sem qualquer responsabilidade com a verdade”, disse o edil, ao falar deste assunto. No mesmo programa daquele dia 4 de maio, não só nós rebatemos o vereador quanto ao ar condicionado e as outras questões, mas também vários ouvintes. Mas, ele saiu de lá apenas com o eco de “suas” verdades.

Depois reiteramos no dia seguinte que a verdade era o que havíamos afirmado. A “verdade” de Salata nos foi repetida depois, pelo responsável pelo Hospital do Olho, no sentido de que o aparelho estava, sim, instalado. De Salata não se ouviu mais nenhuma palavra, afirmando, ou negando.

Porém, como resgatar a verdade é sempre importante para quem a diz e é chamado de mentiroso, segue abaixo a foto do equipamento caríssimo, coberto com lona preta e jogado ao relento próximo à cozinha do hospital. A foto é de ontem, dia 16, conforme podem ver na reprodução:

A propósito, a doadora-benemérita acaba de encaminhar carta ao provedor do hospital, Marcelo Galette, pedindo que o equipamento doado há quase dois anos e não instalado no Centro Cirúrgico da Santa Casa – condição imposta pelo prefeito Geninho (DEM) e pela secretária municipal de Saúde, Silvia Storti, para que o HOR funcionasse, ainda no tempo da Helena Pereira – seja doado ao Hospital do Câncer de Barretos, que está construindo uma nova unidade na cidade de Jales, “onde, com certeza, terá a destinação correta”.

A carta serviu, também, para que a doadora demonstrasse sua “indignação e repúdio” pelo fato do Hospital do Olho “não estar cumprindo na sua totalidade a função social para a qual foi criado e pelo abandono em que se encontra o aparelho de ar condicionado”.

Desnecessário dizer mais alguma coisa sobre o assunto.

PAGUEI
O vereador Guto Zanette garantiu a este blogueiro que foi com seu dinheiro e seu carro a São Paulo, sexta-feira passada, 13, a fim de receber homenagem de uma instituição paulistana. Menos mal, afinal não estava a serviço da Câmara e, sim, em caráter pessoal.

ADEQUAÇÕES
A presidente do Instituto de Previdência dos Municipais disse hoje de manhã que os gastos de quase R$ 150 mil – só ficou abaixo deste valor para fugir da licitação – são para adequações no prédio visando dar melhor acesso a idosos e deficientes, bem como adequações nos sanitários e também em uma sala de reunião. “São adequações que temos que fazer por exigência da legislação”, disse. Por exatos R$ 148.999,60. O valor para licitação é a partir de R$ 150 mil.

Até.

BREVIÁRIO DE UM ESTRAGA-PRAZERES

Não quero ser estraga-prazeres do alto comando municipal, nem tampouco dos bajuladores e baba-ovos de plantão contínuo. Mas, a coisa está feia, caminhando para horrível. E aqui não serão ilações meramente, porque será uma análise calcada em números. E por conta deles o blog pode afirmar: Olímpia, no âmbito da população, está empobrecendo. Está ficando sem poder de consumo. Está ficando sem emprego. Em contraposição ao crescimento dos investimentos em turismo que, mostram os números, parecem não estar trazendo benefícios imediatos ao cidadão local, ao “nativo”, como se costuma chamar aqueles moradores de cidades com propensão ao turismo.

Esta percepção se tem com a simples leitura da página 6 do semanário “Folha da Região”, edição deste sábado, 14. Nela, a principal manchete diz: “Olímpia perde posições nos rankings nacional e estadual de consumo”. No texto, a informação de que a cidade, conforme levantamento do IPC Maps-2010, sucessor do IPC-Target, divulgado no dia 3 passado, perdeu posições em relação a 2009. E isso é péssimo para o burgomestre do “melhor dos mundos”, porque retrata exclusivamente seu período à frente da administração.

O resultado é que o potencial de consumo olimpiense bate nos R$ 700 milhões, ficando na 459ª posição no ranking nacional, e na 134ª no estadual. No levantamento anterior, mostra o jornal, estas posições eram, respectivamente, 409ª e 118ª.  Por que é uma péssima notícia para o burgomestre? Porque o levantamento de 2009 foi feito em 2008, gestão Carneiro (PMDB), e o de 2010, foi feito em 2009, gestão Geninho (DEM). Sim, porque para poder divulgar já no início do ano seguinte, o trabalho tem que ser realizado no ano anterior.

Mas, se ainda não for assim, muito pior para o alcaide atual, porque, então, os números serão referentes aos dois primeiros anos de sua administração. Isso quer dizer que, de uma maneira ou de outra, a atual administração está empobrecendo os munícipes.

(DES)EMPREGO
E não é só isso. Naquela mesma página do jornal, também pode se ler outro texto, sob o título “Olímpia perde cinco posições no ranking regional de empregos”. No corpo da matéria é explicado que a cidade caiu do segundo para o sétimo lugar em empregabilidade no ranking regional. Está na 79ª posição no Estado no saldo de geração de empregos com carteira assinada, no mês de março, entre 350 cidades. Os dados são do Caged, órgão do Ministério do Trabalho. Foram admitidos 579 empregados e demitidos 416, com saldo de 163 novas contratações. Em relação a fevereiro, a queda foi acentuada. Naquele mês foram admitidos 618 novos empregados e demitidos 366, com saldo de 252 vagas.

Esses números demonstram a sazonalidade da mão de obra na cidade. O corte e a colheira da cana ainda são responsáveis por contratar e dispensar funcionários, em sua maioria “estrangeiros” de outras regiões do país – o que acontece agora também, embora em menor escala, na construção civil. Por isso esta oscilação constante. Prova de que, também nesta área, o nobre governante de turno também está devendo à cidade. A geração de emprego perene, não sazonal beira à quase nada, já que a estrutura comercial e industrial local não mudou e, consequentemente, seus aspectos econômico e de consumo, só tendem mesmo a piorar.

TURISMO
Por outro lado, publica ainda nesta mesma página o semanário, que “Levantamento mostra que setor de hotelaria cresceu 300%”. Trata-se de material oficial, distribuido a todos os veículos por meio da assessoria de imprensa da prefeitura, oriundo da Secretaria Municipal de Turismo. A assessoria depois corrigiu o título, já que no texto era dado como se o fluxo de turistas tivesse crescido a esse tanto.

Diz o texto que de dezembro de 2008 a fevereiro de 2011, as pousadas e casas de veraneio aumentaram de 11 e 42, respectivamente, para 28 e 115 agora. Quatro hotéis foram construídos, além dos sete que a cidade já possuía. Os hotéis-fazenda são dois agora – em 2008 era apenas um, e um resort foi construído. Os leitos saltaram de 159 para 5.011. O governo municipal como um todo comemerou estes números. Que indicam, por enquanto, que mais pessoas investiram na seara turística da cidade, mas que não trouxeram ainda, estes investimentos, resultados práticos no âmbito da empregabilidade e no compartilhamento, guardadas as devidas proporções, do montante financeiro que o setor movimenta.

Este setor pode estar se suprindo muito bem com o fluxo turístico, mas o resto da cidade, ao contrário, estaria mergulhado na baixa capacidade de consumo e na raquítica empregabilidade. Além de sofrer a tortura do “boom” dos aluguéis, preços de imóveis e terrenos. Quem relata angústias constantes são so comerciantes do centro da cidade, que se veem pressionados pelos proprietários a pagar o que eles querem pelos aluguéis, ou a devolver os imóveis. Também aqueles que correm atrás de uma casa de aluguel não se conformam com o que cobram por casas, muitas vezes, “caindo aos pedaços”, ou mal localizadas, como relatam.

A PALESTRA
Jovem presente à palestra de R$ 3,2 mil contratada pela Câmara para o “Dia da Consciência Jovem”, disse que o palestrante, “durante quase à metade da palestra, teceu loas ao prefeito Geninho e até chegou a dizer que o MacDonalds havia reservado uma área para instalar aqui uma lanchonete”. Ele disse também que o palestrante revelou que tem outros serviços de assesoria contratados com o município. Será que tais jovens saíram “mais inteligentes” deste colóquio?

A PERGUNTA
O que pretende o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Olímpia com um contrato de R$ 148.999,60 com a Novamar Ambiental e Construtora Ltda-EPP? A empresa, para quem não sabe, é de propriedade do sobrinho de Jayr Alencar, diretor de Gabinete do prefeito, o jovem Marcelo Alencar. Lembrando que carta-convite é a modalidade de licitação utilizada para contratações de menor vulto, ou seja, para a aquisição de materiais e serviços até o limite de R$ 80 mil, e para a execução de obras e serviços de engenharia até o valor de R$ 150 mil. Ou seja, Alencar deu preço R$ 1.000,40 abaixo do limite.

Até.

ZANETTE TEM ASSESSOR ‘FANTASMA’?

Às vezes é melhor lermos um montão de besteiras juntas do que ser cego. Mas, nem sempre é melhor tentar justificar o injustificável. Principalmente quando não se pode nem mostrar a cara. É o que verão abaixo os nobres leitores que perdem tempo com este blog, em comentário feito por não-sei-quem que defende o vereador Guto Zanette (PSB) e tenta desqualificar este miserável blogueiro, repórter e radialista. Leiam o que ele escreveu: 

“Nos últimos dias temos visto uma pequena parte da imprensa local se esforçando para transformar seus desejos pessoais em fatos reais, e é nesse momento que podemos ver com clareza as verdadeiras intenções desses para com nossa cidade, ou apenas podemos ver a falta de formação para poder informar. Orlando Costa questiona a palestra sobre  “O Jovem empreendedor e inteligente”,  realizada no Dia da Consciência Jovem para mais de 130 alunos do segundo grau de nossas escolas ( veja em vídeos na página da câmara).

No entender desse cidadão foi dinheiro jogado fora, pois se investiu pouco mais de vinte e quatro reais em cada jovem. Talvez, para Orlando Costa seja certo investir mais de Dois Mil reais por mês para cada delinqüente que hoje ocupa uma vaga em cadeias. Eu aproveito para dizer que se depender de mim, investimentos na formação moral de nossos jovens deveriam continuar acontecendo, e cada vez com maior freqüência.

Orlando ainda dá crédito a notícia mentirosa e desastrada publicada no tablóide ” Planeta News”, diga-se de passagem, esse é um jornal que se preocupa em dar notícias de interesse pessoal dos proprietários não se importando com a verdade. Tanto a reportagem do Plante News, como Orlando Costa em seu Blog, divulgam gastos de forma errada para iludir os munícipes, até a TV TEM veio até Olímpia e nada constatou de irregular.

Contratos de longo prazo, que apenas representam uma possibilidade desse investimento no período são tidos por Orlando e Planeta News, como gastos reais e no ato. Sem dizer que pra eles um computar de ultima geração sai por Mil e quinhentos reias. Por favor, Orlando e responsáveis pelo Planeta News, me encaminhem 1 máquina por esse valor, preciso de processador i7, placa mãe ASUS, placa de vídeo Gforce, 16 Gb de memória Ram DDR 3 e 1 Tera Bites de HD, preciso com urgência, pago à vista.

Esses desinformantes  falam também  sobre a compra de um carro. Pra quem não tem intenção de buscar verbas tanto em São Paulo quanto em Brasília, realmente o carro foi um péssimo investimento, mas tenho certeza que os  vereadores conquistararam verbas muito acima desse investimento para Olímpia, usando esse automóvel.  Outro tema citado pelo “desinformalista” nesse blog, é que os vereadores não fiscalizam o executivo.

Seu Orlando Costa, se você sabe de algo que não sabemos por favor dê a cara a tapa. Formalize sua denúncia.  Tenho certeza que os vereadores e a justiça estão a sua disposição.”

Querido “deolhonadesiformação”: Vá à página 15 da Imprensa Oficial do Município, edição do dia 30 de abril, e leia os extratos de contratos fechados pela Câmara Municipal, no valor de exatos R$ 171.202,81, dos quais R$ 60.500 foram PAGOS À VISTA, e os restantes R$ 77.376,17 serão pagos entre os meses de abril e dezembro, no caso dos computadores, e de abril deste ano a abril do ano que vem, no caso da assessoria. Portanto, são gastos EMPENHADOS, portanto, para serem gastos, sim, e não PREVISTOS, o que não implicaria em compromisso formal, como é a publicação do extrato de contrato.

Você e seu vereador sim, tentam impingir à opinião pública uma verdade que é só vossa, numa tentativa de escamotear a realidade dos fatos. A propósito do carro, esse “buscar” verba é apenas uma hipótese, né, porque nem todos trazem, nem todos vão buscar. E carro zero a esta altura dos acontecimentos é, sim, desperdício de dinheiro público, já que a Casa de Leis tem um com apenas dois anos de uso. Estas viagens estão se tornando uma verdadeira festa, na verdade, todo mundo viajando por qualquer coisa, por causa da verba de representação, de R$ 900 para cada “saidinha” da cidade. E você melhor do que eu sabe que tem vereador aí viajando duas vezes por mês, no mínimo.

E outra coisa, você “turbinou” bem sua máquina, hein? Isso é para ficar bem cara, né? Se você bem lembrar, a Câmara Municipal de Olímpia, certo tempo atrás, também comprou máquina com especificações “turbinadas” como essa. O computador acaba tendo o preço que o comprador quer que ele tenha, dadas as suas capacidades, mas uma máquina comum, destas apropriadas para uso em Câmara ou prefeitura, está sim, naquela faixa de preço.

Se não, vejamos. A mesma empresa que forneceu os serviços e máquinas para a Câmara, por R$ 9.667,81 por mês, vendeu um equipamento para a prefeitura de Severínia, por R$ 1.470. Ou seja, dentro desta faixa de preço, 6.5767414 máquinas por mês era possível comprar. Se não acredita nesta informação, leia abaixo:

PREFEITURA MUNICIPAL DE SEVERÍNIA – EXTRATO DE CONTRATO – Contrato nº 156/2010 – Processo licitatório nº 114/2010 – PREGÃO PRESENCIAL nº 44/2010 – Objeto: AQUISIÇÃO DE UM MICRO COMPUTADOR, CONFORME CONFIGURAÇÕES ANEXAS: CONTRATADO: RENAN A. J. BUZATTO – ME, inscrita no CNPJ 10.657.875/0001-14. – O Valor Global deste contrato é de R$ 1.470,00 (Hum mil quatrocentos e setenta reais). – Fundamento Legal: Lei nº 8.666/93 – Raphael Cazarine Filho – Prefeito.

Imagino que a prefeitura não deve ter comprado qualquer equipamento. Deve ter lá suas especificações, talvez até parecidas com o seu “turbinado”.

E quanto a fiscalizar o Executivo, o nobre missivista pede que nós, façamos isso? Não contando que nossa atuação diária é exatamente neste sentido, em defesa do povo que vê em nós profissionais do rádio o seu porto seguro, a obrigação da fiscalização que está sendo vergonhosamente negligenciada em Olímpia é do Legislativo. A ninguém é dada procuração (votos) para depois ficar lambendo a mão do poderosos de turno, como se não representasse também um poder, independente e até com mais força que a do mandatário, porque uma Câmara pode até caçar um prefeito, enquanto o contrário jamais ocorre.

A “cara a tapa” estamos dando desde de que nos conhecemos por gente. Quanto a você, nobre assessor, nem o nome teve coragem de assinar. Por quê? Não está falando a verdade? Não está na defesa do vereador em questão? Qual o medo, o receio de “dar a cara ao debate”?

Até.

Página 1 de 2

Blog do Orlando Costa: .