Blog do Orlando Costa

Verba volant, scripta manent

Mês: maio 2015

VEREADOR TROCA MOÇÃO DE REPÚDIO POR REQUERIMENTO

Leonardo Simões (SD) insiste que a novela ‘Babilônia’, que mostrou beijo lésbico no primeiro capítulo, faz ‘diversos ataques à instituição família’

O vereador Leonardo Simões, o Pastor Leonardo (SD), recuou de sua intenção de fazer aprovar pela Câmara a Moção 002/2015, de repúdio à Rede Globo de Televisão e sua novela polêmica “Babilônia”, mas não desistiu de protestar, conforme disse na sessão ordinária da Câmara de Vereadores, do dia 27 de abril. Ele transformou a Moção em Requerimento (nº 334/2015), que independe de aprovação pelo Plenário, é apenas deferido pelo presidente e encaminhado ao seu destino.

Simões, que é evangélico, protesta contra o beijo lésbico trocado entre as atrizes Fernanda Montenegro e Nathália Timberg, no primeiro capítulo da novela. Na semana em que apresentou a Moção (sessão ordinária do dia 6 de abril), no Facebook o assunto recebeu mais de duas dezenas de “curtidas”, mas também muitos comentários negativos.

Na sessão do dia 6 a Moção constou da pauta de votações, mas Simões pediu sua retirada. E agora, três sessões depois, ele sobe à Tribuna para comunicar a mudança de documento de protesto. “Eu transcrevi a Moção, que representa a minha opinião, em Requerimento”, explicou. É que a Moção precisa passar pelo Plenário da Câmara, e ele pode ter antevisto dificuldades para sua aprovação. Talvez contasse somente com o voto de seu colega também evangélico Marco Santos (PSC), 2º secretário da Mesa.

Moção é a proposição em que é sugerida a manifestação da Câmara sobre determinado assunto, aplaudindo, hipotecando solidariedade ou apoio, apelando, reivindicando, protestando ou repudiando. A moção precisa ser subscrita, no mínimo, pela maioria absoluta dos membros que compõem a Câmara e depois de lida em expediente, é despachada para a Ordem do Dia da sessão ordinária seguinte. Ela não depende de parecer e é apreciada em discussão e votação únicas e nem pode sofrer emendas.

“Tenho visto nesta novela diversos ataques à instituição familiar”, acusou Simões.  “Por isso apresentei o Requerimento 334/2015, repudiando a referida novela e seus costumes colocados à disposição da sociedade”, emendou. Ele se autoconcedeu o “direito à manifestação, de forma não discriminatória”, alegando que esta era sua posição, “em defesa da família”.

O Requerimento de Simões tem o seguinte teor: “Requer na forma regimental, ouvido o Plenário, que conste na Ata de trabalhos desta Casa, bom como seja encaminhado de ofício uma cópia aos REPRESENTANTES LEGAIS, da REDE GLOBO, do repúdio às cenas da novela intitulada BABILÔNIA, que demonstrou em sua falta de comprometimento com os valores básicos que resguardam a sociedade e inserção apologética a fatos como perversão moral do ser humano em todas as esferas do relacionamento interpessoal, que tem contribuído para a destruição de valores morais fundamentais da sociedade afrontando a família, em seu horário nobre”.

Até.

PESQUISA DO OC&VB ILUSTRA O QUE VÊ O TURISTA

Coleta foi feita entre julho de 2014 e março de 2015, sob supervisão do Olímpia Convention & Visitors Bureau, por meio de 487 formulários

Uma pesquisa feita na Estância Turística de Olímpia por estudantes da ETEC sob supervisão do Olímpia Convention & Visitors Bureau, por meio de 487 formulários deixados em hotéis, pousadas e no próprio clube Thermas dos Laranjais, revelou nas opiniões dos turistas que para cá veem em busca de lazer, as profundas carências da cidade.

Também revelou qual o perfil do turista que visita Olímpia, seu poder econômico, tempo de duração do passeio, meios de hospedagem usados além de muitos outros detalhes, o que possibilita elaborar um painel de discussões entre todos os interessados, incluindo o Poder Público.

O “Relatório de Pesquisa do Perfil da Demanda Turística de Olímpia” foi esmiuçado na noite de terça-feira, da semana passada, dia 28 de abril, na Câmara de Vereadores, pela diretora do OC&VB, Cristina Prado, para cerca de 80 interessados direta ou indiretamente no assunto. A apresentação foi feita pelo presidente da instituição e diretor da Ferrasa Construções, Sérgio Ney Padilha. Ele disse que há 13 anos acompanha os relatórios das opiniões sobre o turismo local.

E que o Parque Aquático Hot Beach, em construção em Olímpia, “surgiu das deficiências apontadas além do Thermas”. Padilha fez questão de observar que o que está se fazendo agora, “não diminui em nada o que já existe”.

Participaram do encontro uma representante da Diretoria Regional de Turismo, uma monitora do Senac/Rio Preto, professore e alunos da Etec, instituição de ensino técnico de Olímpia, Diretores do Thermas dos Laranjais, do Royal Termas Resort e Spa, da Associação de Hotéis e Pousadas, associados do OC&VB e os vereadores Cristina Reale e Salata, num total de cerca de 80 pessoas.

“Essa é uma pesquisa de caráter permanente”, frisou Cristina Prado. Ou seja, ela é feita todos os meses. Os questionários com 20 perguntas a serem respondidas pelos turistas são entregues para os associados do Convention que depois os distribuem para hotéis, pousadas e ao próprio Thermas dos Laranjais, e são devolvidos todo o mês. “No Thermas é feita pesquisa toda semana, em dias alternados, por alunos da Etec. Sempre no final do dia, que é quando o turista já vivenciou o clube”, explica Prado.

Um dos dados apurados pela pesquisa é que a maioria dos turistas que veem a Olímpia por conta do Thermas é do Interior de São Paulo– 32,6%; da Capital– 31%, e Grande São Paulo– 18,7%. “Diante disso, temos todo um Brasil para trabalharmos nosso turismo”, especula Cristina. A maioria dos turistas tomou conhecimento do parque aquático por meio de amigos– 63,4%, ou pela internet– 27,7%. Na média, quando vem a Olímpia o turista fica três dias– 49,1%; uma semana– 21,8%, ou dois dias– 16%.

E quase a totalidade– 92%- claro, vem para fazer turismo, o que dá margem para Cristina sugerir ampliar o leque de atração, “com eventos e negócios”, por exemplo – só 2,1% dos entrevistados disseram vir a Olímpia com a finalidade “negócios”. E, óbvio também, 96,3% dos entrevistados veem pelo Thermas. O Fefol atrai 1,8% somente dos turistas. Dos entrevistados nesta leva de 487 turistas, 63,7% estavam em Olímpia pela primeira vez, enquanto 14,8% disseram vir uma vez por ano, pelo menos. “Temos que ter muito cuidado para podermos trazer estes turistas de volta à cidade”, orienta Cristina.

E onde se hospedam os turistas? 47,2% em hotéis e 37,6% em pousadas. 47,4% disseram se alimentar no próprio clube, mas 45,4% disseram que o fizeram fora de lá, ou seja, nos restaurantes e lanchonetes. Um detalhe a ser destacado: 46% dos entrevistados disseram que não compram na cidade, embora 61% deles tenham dito que foram conhecer a cidade. Porém, se 68% a classificaram como “boa e ótima”, 38% disseram que precisa de melhorias. Quase 30% – 27,8% – sentiram falta de shopping, comércio aberto à noite ou no sábado à tarde, de mais atrativos turísticos ao ar livre e mais opções de alimentação.

Dado interessante e animador apontado pela pesquisa mostra que nossos turistas têm na maioria, Ensino Superior– 35,7%, “portanto são críticos e informados”, diz Cristina Prado, e com poder aquisitivo de classes “A” e “B”. Na pesquisa apontaram rendimentos entre R$ 2,9 mil a R$ 7,2 mil– 36,8%, e entre R$ 7,25 mil a R$ 14.499– 22,6%.

“Este levantamento serve como ponto de partida para refletirmos sobre o que o turista quer. E a cidade precisa ir se adequando às exigências”, observa Cristina Prado. Uma conclusão inevitável diante das opiniões dos turistas é que há muita falta de informação, em termos gerais, que os norteiam na cidade, que façam com que procurem outros atrativos. E este problema precisa ser solucionado porque, muito importante, 86% destes turistas disseram que sim, voltariam a Olímpia.

Até.

Blog do Orlando Costa: .