Blog do Orlando Costa

Verba volant, scripta manent

Mês: junho 2009 (Página 1 de 2)

O CULTO À PERSONA – VAMOS AO QUE INTERESSA!

Amigos do blog, começo este post pedindo desculpas a todos pelos contratempos que venho sofrendo com essa tal Telefônica – que bem poderia mudar o nome para Calafônica, de tanto que dá ‘breakes’ nas comunicações de modo geral. Uma tragédia efeagáceniana!

Mas, sempre que possível, aproveito a ‘lacuna’ do mal serviço prestado por ela e mando minha mensagem. Como a que segue, expressando um ponto de vista que a cada dia, cada ato, cada fato, ou factóide, mais se cristaliza: o culto à personalidade exercido pelo prefeito Geninho Zuliani (DEM).

O leitor mais atento aos detalhes – e aqueles que não o forem, atentem-se a partir de agora – hão de notar no ar algo que politicamente vai muito além dos limites de nossa terra, ultrapassam as fronteiras do muito querer fazer só para o bem estar da nossa urbe e seus urbanóides e rurais.

Caracteriza-se, este Governo, por tantas e tamanhas já vistas, um pólo germinador de algo maior, que sempre foi o foco do nosso alcaide, o que nunca, aliás, escondeu de ninguém: alcançar uma cadeira na Assembléia Legislativa, no princípio, e depois…Bem, o céu é o limite…

Se não, puxemos nossa memória – cognição nem é preciso – para fatos relacionados ao alcaide Zuliani: Ele brigou por isso e conseguiu ser eleito presidente da União dos Municípios do Vale do Rio Grande (Umvarig), no dia 15 de maio pasado. Até trouxe a eleição para Olímpia, seu território.

Alvo principal: Os 21 municípios que integram a tal Umvarig, entre eles Altair, Barretos, Bebedouro, Cajobi,  Guaraci etc., só para citar os maiores e os da região próxima a Olímpia. E isso é tudo? Não! Houve antes, lá atrás, outra eleição de caráter colegiado, e quem se elegeu presidente da tal entidade?

Na eleição para o Comitê da Bacia Hidrográfica do Turvo-Grande-CBHTG, em abril, haviam 54 pessoas com direito a voto: 18 prefeitos, 18 do Estado e 18 da sociedade civil. E Zuliani, inclusive, chegou mudando a escrita: fez-se eleger o primeiro prefeito a presidir o nosso Comitê, que há 13 anos era dirigido por um ‘civil’. O alvo: os 61 municípios que o integram.

Claro que, em virtude dos fortes rumores à época, o alcaide negou com veemência sua mais legítima pretensão: “É fofoca de quem não tem o que fazer”, refutou. Disse que seu compromisso, como não podia ser de outra forma, “é ser prefeito de Olímpia durante quatro anos” (aqui não se fala, especificamente, do próximo pleito).

Depois, ‘criou’ uma festa de peão que alardeou ter sido “a maior de região” – exageros à parte, este foi pelo menos o seu desejo, e para isso gastou mundos e fundos. E para quê?, perguntamos, considerando que festas deste gênero nada trazem de positivo a quem quer que seja – a menos, claro, que você seja amigo do ‘rei’.

Ou seja o próprio ‘rei’ que, fazendo barulho além-fronteiras de seu reinado, atraiu para cá as atenções de dezenas de outras urbes, e de milhares de outros seres, autoridades ou gente do povo, que sempre se deixam atrair por este tipo de evento. À frente de toda repercussão, o nome da cidade? Nã-nã-ni-nã-não.

O que regurgitou forte em meio a todo movimento, a toda euforia de próximos e distantes, foi outro nome: o do próprio prefeito, Geninho Zuliani. Até outdoors de agradecimento a deputado com o nome dele em destaque e do agradecido bem lá embaixo se viu na cidade.

Este blog ousa dizer que o político Geninho Zuliani, um dia eleito prefeito da cidade, está focado em si mesmo. Egocentricamente voltado para suas pretensões futuras, busca fazer deste seu poder temporário trampolim para galgar outros degraus, embora negue. Mas sabe que não cola.

O grande ‘barato’ do culto à personalidade, é que trata-se de uma estratégia de propaganda política baseada na exaltação das virtudes – reais e/ou supostas – do governante, bem como da divulgação positivista de sua figura. Até aí tudo bem.

Mas, cultos à personalidade são freqüentemente encontrados em ditaduras, embora também existam em democracias. Um culto da personalidade é semelhante ao apoteose, exceto que ele é criado especificamente para os líderes políticos.

Isso lhes parecerá familiar, amigos do blog: O culto à personalidade inclui cartazes gigantescos com a imagem do líder, constante bajulação do mesmo por parte de meios de comunicação, e perseguição aos dissidentes deste mesmo líder.

Os perigos da prática do culto à personalidade: O individualismo, o narcisismo e o hedonismo associados impedem as pessoas de conseguir ver isso, uma forma sofisticada de corrupção não imediatamente visível. Além disso, fica dificíl ver nos políticos, aqueles que nos vendem a mensagem de acordo com os nossos desejos.

E essa mensagem é um espelho que fala e reflete para nós, mas o reflexo é sempre uma enorme mentira. É o reflexo que nos vende as coisas que nós achamos que devem ser as nossas, que achamos que devemos ter que comprar.

Mas, a grande verdade é uma só: o culto à personalidade nos explora, explora a cada um dos cidadãos, que não obstante custear – e caro – o fausto de que se reveste tal anomalia, ainda consta adorar, sem perceber que estão, na verdade, sendo explorados. Sugados até os ossos.

MUNDO PERDE MAIS UM MITO

Amigos do blog, acredito que não há um de vocês que não tenha curtido pelo menos uma música do Michael, que nos deixou na quarta-feira. Não restam dúvidas de que ele foi o último expoente da música pop do século 20. Seu som embalou várias gerações, embora ainda estivesse em idade que se pode considerar jovem – 50 anos.

Por isso, como uma singela homenagem, reproduzo abaixo um endereço onde vocês vão encontrar uma play list do Michael, com a melhores – e somente as melhores mesmo! – canções, ao longo de sua história. Acho que este endereço consegui lincar, não precisa digitar, ok? Enjoy!

http://www.territorioeldorado.limao.com.br/player/player2.htm

MUSEU VIRTUAL DA CORRUPÇÃO

Amigos do blog, recebei um e-mail sensacional do meu amigo jornalista Antônio Scarpa (a quem mando um abraço forte!), que me passa um endereço mais sensacional ainda: o do museu virtual da corrupção/2009.

Ali tem de tudo, toda a cronologia da corrupção do país, estórias, detalhes, datas, multimidia, discursos dos ‘ilustres’ no Congresso, enfim, quer saber qual o DNA da podridão política no país? Acesse. Garanto, é fantástico!

Eis o endereço. É só clicar, ok? Garanto que vale a pena! Áh, e indique a seus amigos também. Abraços.

http://www.dcomercio.com.br/especiais/2009/museu/index.htm

E QUEM VAI VIGIAR OS ‘VIGIADORES’?

Amigos do blog, acabou a novela. Finalmente a juíza de Direito da Infância e Juventude de Olímpia expediu o alvará que trata da entrada e permanência de menores de 18 anos no Recinto do Folclore, durante a festa do pe…ooops!… 1º Olímpia Rodeo Festival, que começa nesta quarta-feira, 24, dia do Padroeiro, São João Batista.

O Alvará não cria muito mais empecilhos para os jovens que para os organizadores do evento, uma vez que torna difícil a vida para ambos. No caso dos menores, pelas restrições impostas a eles que, se forem cumpridas à risca, serão um tormento. E para os organizadores que, na obrigação que ficam de cumprir o que determina o Alvará, terão que fazer das tripas coração.

E para os que cuidam da segurança – polícias civil e militar – e do cumprimento do que prevê o ECA – conselheiros tutalares – a vida não vai ser fácil, também, se tudo for levado a sério, como deve e precisa ser. E para o comércio de bebidas alcoólicas, um baque: só maior de 18 anos vai poder beber.

Enfim, uma batalha campal do direito a cumprir -Justiça – ser cumprido – realizadores do evento – e vigiado seu cumprimento – conselheiros tutelares e policias civil e militar. Assim, o resultado será positivo. A alternativa, a desobediência civil, poderá representar o caos.

Eis o que decidiu a juíza Andréa Galhardo Palma, da Seção da Infância e Juventude: Os adolescentes com idade acima de 16 anos, e até 18 anos, poderão entrar no recinto sem estarem acompanhados dos pais ou responsáveis, desde que munidos de autorização escrita, assinada pelos pais ou responsável legal, com firma reconhecida por tabelionato de notas (Cartório). Assim, poderão ficar na festa até seu final.

Já os adolescentes com idade entre 14 e 16 anos, poderão ir à festa desde que acompanhados pelos pais ou responsáveis, e com eles permanecer durante todo o tempo que desejar ‘curtir’ a festa. Eles não vão poder ‘despistar’ os pais na porta, nem os pais poderão deixá-los lá. Terão que entrar e com eles ficar.

Já crianças e pré-adolescentes de zero a 14 anos também poderão entrar, desde que acompanhados pelos pais ou responsável, porém com horário limitado até às 22 horas.

Ou seja, bimbalharam os sinos da catedral, feito cinderela fora de época e idade, os pais terão que, filhos à tiracolo, baterem em retirada. Ou serem retirados do recinto? Esperar para ver.

QUEM TEM MEDO DOS SEM-DIPLOMA?

Amigos do blog, interessante acompanhar as discussões em torno da decisão do STF desobrigando as empresas jornalísticas de exigir formação específica na área para contratar funcionários. Em outras palavras, as discussões em torno do fim da exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista.

Uns ‘espumam’ daqui, outros esbravejam dali, outros defendem daqui, outros comemoram dali e assim seguem as discussões, quase sempre recheadas de opiniões vazias de conteúdo, sem conexação com a lógica, ou que não fazem o menor sentido. Retrato fiel, aliás, de como se conduz o trabalho jornalístico no país, hoje em dia.

O fim da exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista dividiu as opiniões no mundo acadêmico. Professores e alunos disseram temer que a decisão tomada quarta-feira, 17, pelos ministros do Supremo Tribunal Federal enfraqueça a classe. Outros acreditam que o mercado de trabalho permanecerá o mesmo.

Há estudantes que ficaram desanimados, achando que a decisão pode fechar portas. Outros temem pelo enfraquecimento da classe (alguma vez ela foi forte, enquanto classe?). A crítica de alguns é por verem maiores dificuldades para a regulamentação da profissão.

Outros lembram que muita coisa se aprende na faculdade, como estudos em Sociologia e Psicologia. E não veem como alguém pode escrever sem essa base. Falam que a decisão não deverá melhorar a qualidade do jornalismo. E defendem que é importante o profissional ter noção da teoria, que só se adquire na faculdade.

O presidente do STF, Gilmar Mendes (de quem não aprecio a conduta), por sua vez, afirmou que, a seu ver, “o fato de um jornalista ser graduado não significa mais qualidade na área”. E que “a formação específica em cursos de jornalismo não é meio idôneo para evitar eventuais riscos à coletividade ou danos a terceiros”. Concordo.

E aí entramos no terreno dos que acham a decisão positiva. Por exemplo, aqueles que entendem não ser necessário a faculdade para saber como apurar uma notícia. E, felizmente, a turma que, apesar de o diploma não ser mais necessário, não pensa em desistir da formação superior.

E há ainda os defensores da reserva de mercado, seja profissional da área, ou aquele que ensina a profissão. Como professores de jornalismo, preocupados, já, com a questão salarial – talvez o fim do diploma seja uma maneira de baixar os salários da categoria (O amigo já leu manifestação mais esdrúxula?).

Aí, de repente, nos deparamos com uma opinião sensata e bem focada: a da diretora do Centro de Comunicação e Letras do Mackenzie, Esmeralda Rizzo. Ela ressaltou a importância do diploma, independentemente se ele é ou não obrigatório, dizendo: “A oferta de trabalho será muito grande, e ela será avaliada”. “O diploma será um diferencial”. Matou a pau.

Resumo da ópera: Só o mau jornalista, aquele mal formado, que frequentou faculdade de fundo de quintal, que não tem aptidão para o ofício, ou que mais ‘brahmou’ do que estudou, tem medo dos sem-diploma. O resto é chorar o leite derramado, o legítimo ‘jus esperneandi’.

O VALOR DO ‘PEDÁGIO’ NO RODEO FESTIVAL

Amigos do blog, não pensem que o título acima é um demérito para seus organizadores, mas o termo ‘pedágio’ é usado também quando se trata de intermediações por terceiros para qualquer tipo de contrato celebrado visando atender ao interesse de outrem.

Dito isso, tenho a informar aos senhores que o ‘pedágio’ cobrado por quem foi autorizado pelo prefeito a contratar as duplas e conjunto que virão animar a festa encareceu a coisa em 21.3%, em princípio, segundo o blog apurou junto a pessoa ligada ao meio.

O quanto ficaria mais barato a contratação ser feita diretamente, sem que o prefeito precisasse, primeiro, contratar um contratante, para depois este lhe contratar o que pretendia contratar? No caso, as duplas sertanejas e o grupo musical Jota Quest (que aliás, diz a lenda, era J. Quest, mas teve que formar a palavra por determinação de organismo internacional que detém a marca J. Quest -leia-se Djei Quest, para evitar aborrecimentos). Vamos aos exemplos:

Bruno Rogério Bertuolo – ME foi a empresa que contratou o show da dupla João Bosco e Vinicius, para a noite do dia 24, com cachê no valor de R$110 mil. Mas, nosso homem no meio disse que, tranquilamente, os cantantes estariam em Olímpia por R$80 mil – R$30 mil mais barato, portanto.

Marcos Rogério Mioto Promoções Artísticas Ltda., foi responsável pela contratação dos shows artísticos do conjunto Jota Quest e da dupla João Carreiro e Capataz, para as noites de 25 e 27 do rodeio, o primeiro por R$134 mil, e o segundo por R$42.683,00, totalizando R$176.683.

A fonte consultada disse que os preços poderiam ser de R$110 mil e de R$35 mil, respectivamente. Ou seja, se economizaria, no primeiro contrato, R$24 mil, e no segundo, R$7.683. No total, R$31.683 ficariam nos cofres públicos.

Guilherme & Santiago Promoções Artísticas Ltda., aqui a empresa, contratou a si mesma, a dupla Guilherme e Santiago, para o show da noite de 26, com cachê no valor de R$85 mil. A fonte garante: dava para ganhar uns R$5 mil, contratando-a por R$80 mil.

Por fim, a Zé Henrique e Gabriel Produções Artísticas Ltda., a empresa, também contratou a si mesma, a dupla Zé Henrique e Gabriel, para o show também do dia 26, com cachê no valor de R$65 mil. A fonte volta a garantir: dava para contratar por R$50 mil, ou seja, por R$15 mil menos.

Sendo assim, de um total que chega a R$436.683, poderia se fechar todos os contratos por R$76.683 menos, economia, portanto, de pouca coisa superior a 21.3%. Os shows, então, aconteceriam pela ‘bagatela’ de R$ 360 mil.

E continua no ar a pergunta: Para onde – ou quem – será destinado o arrecadado líquido da festa, ao final de tudo? O povo quer saber!

E NA SOLA DA BOTA, É NA PALMA DA MÃO!

Amigos do blog, peço desculpas pelas demoras, mas não está nada fácil contar com um bom serviço da Telefônica nestes últimos dias – resultado da efeagánização da economia brasileira, a tal da tucanagem de escala mundial, o neoliberalismo e coisa e tal.

Mas, enfim, o tema que me traz a este post de hoje é…tchan, tchan, tchan, tchaaaaannnnn: a festa do pe…ops!, o 1º Olímpia Rodeo Festival, que começa na próxima quarta-feira. E nem vamos considerar outras questões, porque a que temos para relatar abaixo é talvez a mais grave.

Trata-se da desfaçatez com que se gasta o dinheiro público, fazendo uso de ‘chicanas’ jurídicas, falhas e vãos nas leis que regem a coisa pública, afinal tais leis são feitas por quem, se não pelos próprios homens públicos? E assim vai caminhando a humanidade – já falamos aqui por ‘enes’ vezes do pão e circo, certo?

Então, vamos ao ponto. O amigo vai saber logo abaixo quanto está custando a festa que o prefeito Geninho sonha que seja a maior da macro-região, excluindo, por motivos óbvios, Barretos, dado a megalomanias que é – vide festa de aniversário da cidade.

Mas, num certo aspecto, não é dificil de se entender tamanha ‘generosidade’ a fartar o povo de coisas banais e pouco enriquecedoras do ponto de vista humanista: o dinheiro que se gasta para isso é do próprio povo, e fazer cortesia com chapéu alheio, todos sabem, não dói.

Mas, aos fatos. Reproduzo aqui os valores a serem gastos, ítem por ítem, no Rodeo Festival, descriminando quanto custou cada atração – totalizando mais de R$ 436,6 mil, e quanto o município está gastando com publicidade regional, discriminando quanto cada veículo recebeu – de um total superior a R$ 67,6 mil.

E mais: junto com os valores e descriminações, vem a revelação de que sim, a festa está sendo bancada com dinheiro público! A menos que alguém possa esclarecer se para uma festa com dinheiro da iniciativa privada existe a necessidade do aval e da ratificação do prefeito da cidade.

E, mais, se existiria a necessidade do uso de um recurso chamado de inexigibilidade de licitação, usado só em casos onde o dinheiro público esteja envolvido. O tal recurso significa que a despesa pode ser feita a bel-revel do prefeito ou seu preposto. E com quem bem entender.

Mas, vamos ao que interessa:

PREFEITURA MUNICIPAL DE OLÍMPIA
DESPACHOS DO PREFEITO – Em 9 de junho de 2009
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 04/09
– Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor de Bruno Rogério Bertuolo – ME, para contratação do show artístico da dupla João Bosco e Vinicius, a realizar-se no dia 24/06/09, no “Olímpia Rodeo Festival”, com cachê no valor de R$ 110 mil de acordo com o Artigo 25, inciso III, da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 05/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor de Marcos Rogério Mioto Promoções Artísticas Ltda., para contratação dos shows artísticos do conjunto Jota Quest e da dupla João Carreiro e Capataz, a realizar-se nos dias 25 e 27/06/09, no “Olímpia Rodeo Festival”, com cachês no valor de R$ 134 mil e de R$ 42.683,00, respectivamente, totalizando R$ 176.683, de acordo com o Artigo 25, inciso III, da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 06/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor de Guilherme & Santiago Promoções Artísticas Ltda., para contratação do show artístico da dupla Guilherme e Santiago, a realizar-se no dia 26/06/09, na “Olímpia Rodeo Festival”, com cachê no valor de R$ 85 mil, de acordo com o Artigo 25, inciso III, da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 07/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor de Zé Henrique e Gabriel Produções Artísticas Ltda., para contratação do show artístico da dupla Zé Henrique e Gabriel, a realizar-se no dia 26/06/09, no “Olímpia Rodeo Festival”, com cachê no valor de R$ 65 mil, de acordo com o Artigo 25, inciso III, da Lei Federal nº 8.666/93.
TOTAL: R$ 436.683
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 08/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor do Jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor de R$ 4.499,04, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 09/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor do Jornal Negócios e Notícias, Severínia/SP e Cajobi/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo
Festival”, no valor de R$ 1.192,80, de acordo com o Artigo 25 da Lei
Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 10/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor do Jornal Bom Dia São José do Rio Preto, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor
de R$ 3.592,00, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 11/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor do Jornal Diário de Barretos/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor de
R$ 5.900, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 12/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor da Rede Record – São José do Rio Preto/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no
valor de R$ 36.879,20, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 13/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor da TV Tem – afiliada da Rede Globo – São José do Rio Preto/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia
Rodeo Festival”, no valor de R$ 9.698,00, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 14/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor da Rádio Onda Verde FM – Catanduva/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor
de R$ 810,00, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 15/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor da Rádio Jovem Pan FM, Catanduva/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor
de R$ 630,00, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 16/09 – Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor da Rádio Cajobi FM, Cajobi/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor de
R$ 1.314,00, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93.
Processo de Inexigibilidade de Licitação nº 17/09
Ratifico a Inexigibilidade de Licitação, em favor da Rádio Diário FM, Mirassol/SP, para aquisição de espaço nesse meio de comunicação para divulgar o “Olímpia Rodeo Festival”, no valor de R$ 3.150, de acordo com o Artigo 25 da Lei Federal nº 8.666/93. (Nota do post: TOTAL: R$ 67.665,5)
EUGÊNIO JOSÉ ZULIANI

(NP): TOTAL GERAL: R$ 504.348,05 – E aí, quem vai pagar tudo isso? E, mais, para onde – ou quem – será destinado o montante que a festa arrecadar, líquido? O povo quer saber!

A CRÔNICA DA TERCEIRIZAÇÃO ANUNCIADA

Este não cabe sob o tapete

Este não cabe sob o tapete

Amigos do blog, não querendo pegar onda de pitonisa, mas acertamos mais uma. Agora já não é mais segredo para ninguém o que quer o senhor prefeito Geninho Zuliani (DEM) com o lixo da cidade. Acho que vimos falando disso aqui neste espaço desde o final do ano passado.

E há dez dias atrás – quarta-feira, 3 -, demos o último toque, com o post ‘O Rodeio do ‘lixo”, lembram-se? Ali já praticamente dávamos a certeza do que iria acontecer, a partir da ‘choradeira’ plantada na imprensa-adesivo quanto ao aviso da Secretaria do Meio Ambiente sobre o nosso ‘lixão’.

Somado às declarações anteriores do senhor prefeito, mais as declarações pós-eleições sobre o setor e até mesmo algumas indicações sutis durante a campanha eleitoral, noves fora, a terceirização da coleta do lixo será o próximo passo.

Vai se começar pela deposição do que for coletado aqui, em outras plagas – que com certeza o prefeito e seus mais próximos já sabem onde será – e depois, nova ‘choradeira’, talvez quanto às dificuldades do transporte, etc., e de uma vez o nosso lixo ficará a cargo de terceiros.

Indifrerente à discussão sobre se isso é bom ou ruim para o município, distante das querelas sobre se isso é caro ou barato, a coisa pega na questão do provável cumprimento de compromissos eleitorais em ‘pagamento’ a ajuda financeira de campanha.

A indiferença à discussão e a distância das querelas, entendam, se prendem a uma única questão: a de que o próprio prefeito poderia estar, também, indiferente e distante destas questões, e mais preocupado em cumprir o que foi acordado lá atrás. E, pior para nós, independentemente de qualquer consequência.

Mas, se voltarmos nossas atenções para a questão custo-benefício, uma coisa há de saltar aos olhos: a dúvida insanável sobre se valerá a pena. Este tipo de serviço, segundo consta, é cobrado por número de caminhões transportados. Quanto custará cada um destes caminhões?

E, se não for por caminhão transportado – prometo que ainda na semana que vem apuro direitinho – será por metro cúbico de lixo coletado e transportado no dia, ou a cada ‘xis’ espaço de tempo. E quanto Olímpia produz de lixo por dia? E quanto custará cada metro cúbico disso?

Espera-se que a Câmara de vereadores não ‘durma de touca’ também sobre este assunto, e cobre dos líderes ou, quiçá, do próprio prefeito, explicações detalhadas sobre esta sua mais nova pretensão de gasto. Até por uma questão preservacionista – no caso, não do meio ambiente, mas do meio econômico-financeiro do município.

Porque este Governo tem se revelado ‘decretista’, ‘resolucionista’, ‘portarista’ e criador de leis que não raro implicam em gastos de alta ou média monta. Ou seja, Geninho Zuliani, até agora, tem governado com a caneta sobre o papel.

E assim governará enquanto as burras ainda tiverem parcas moedas nos fundos, esperando serem resgatadas. O problema pode vir depois, quando a fonte secar.

E, pelo andar desta carruagem de sonhos, a abóbora logo se revelará. E nesta hora, fim do baile, será que algum ‘assessor encantado’ se lembrará de lhe levar a caneta esquecida num canto qualquer?

DE CURUPIRA A CORCOVEIOS

Amigos do blog, como vocês perceberam, estive fora do ar todo este tempo, razão pela qual não postei nada nesta quase uma semana. E como as coisas se acumularam, hoje vou postar algumas ‘pílulas’ do dia a dia. Ok?

*** Pra começar, uma correção. Na edição do dia 10 de junho, quarta-feira passada, na ‘Coluna do Diário’, do jornal rio-pretense ‘Diário da Região’, o jornalista – que aliás é olimpiense – Alexandre Gama, deu a seguinte nota, que já foi devidamente aproveitada pelo neo-situacionista ‘Folha da Região’:

FOLCLORE…
O Ministério do Turismo vai liberar uma verba de R$ 100 mil para o Festival do Folclore de Olímpia e outros R$ 150 mil para o Festival Internacional de Teatro (FIT) de Rio Preto. É a primeira vez que o governo federal investe na festa de Olímpia.

Não é verdade: No dia 8 de setembro de 2006, o então ministro do Turismo, Walfrido dos Mares Guia, liberou R$ 188 mil para o 42º Fefol. Ele esteve na cidade em visita juntamente com o secretário estadual de Turismo, Fernando Longo, quando cobrou deste outros R$ 100 mil do Governo Estadual.

Compromisso assumido, Olímpia receberia R$ 300 mil – seriam R$ 200 mil da União. Mas o Estado não cumpriu com sua promessa e o dinheiro veio só do Ministério. Portanto, correção feita. Falta agora alguém avisar o Gama. Ou será que não há interesse?

*** Amigos, preparem-se para a nova fase de factóides do prefeito Geninho Zuliani (DEM). O que acontece, é que tudo o que ele tinha para gastar em asfaltamento e recape, já gastou. Era dinheiro de convênios deixados pelo Governo anterior, alguma coisa da ordem de R$ 7 milhões a R$ 8 milhões.

Dinheiro que serviu, e muito bem, para que o prefeito desse um ‘boom’ na sua administração, neste começo de gestão, impressionando os mais incautos. Agora, obras já planejadas e conveniadas feitas, resta a ele buscar novos recursos, para novas obras. E aí residem as dificuldades, segundo fontes bem instaladas no Governo.

Reparem bem que de uns tempos para cá só os factóides têm ganhado espaço na imprensa-adesivo. Os relises da assessoria também não trazem nada de novo, a não ser reuniões e encontros, pedidos daqui, pedidos de acolá. E tal fonte confirma a este blog que o prefeito já se ressente da ‘seca’ financeira iminente…

*** Lembrando, ainda, esta fonte, que a gastança desbragada que parece ser a tônica deste Governo, ainda pode dar panos pra manga….

*** A Prefeitura acaba de contratar uma empresa de publicidade para cuidar de sua propaganda institucional. Empresa esta que parece ser um ‘braço’ de outra que já tem firmado mais de R$ 120 mil em contratos para fornecimento de som e outros serviços ao Executivo, logo nos três primeiros meses do ano.

E agora fecha mais um, por meio de uma empresa recém-criada de publicidade, da ordem de R$ 80 mil. Ou seja, em menos de 200 dias, faturou mais de R$ 200 mil. Observação de um cidadão comum a este blog: “Isso dá mais de R$ 1 mil por dia”. Pois é.

*** Enquanto isso, R$ 35,70 de reposição aos municipais. Que faz dez anos, não tinha reajuste, segundo manchete de um jornal ‘da casa’, esquecido dos mais de 120% de aumento praticado nos anos anteriores ao atual Governo. É só buscar nos arquivos.

*** Enquanto isso, o presidente do Sindicato da categoria, diz que não vai levar a proposta à assembléia, para colher a opinião dos demais afiliados. Disse que “não vai dar tempo” por causa da votação na Câmara. E que quem estava com ele, tinha autonomia para decidir.

*** Parece que por aqui, também está se reinventando o sindicalismo. Agora é sindicalismo de Gabinete?

*** Os 25 devem estar radiantes. A turma que tomou para si a realização do Olímpia Rodeo Festival, parece que não vai ter do que reclamar. As previsões são as de ‘sobrar’ no caixa do evento, alguma coisa em torno de R$ 1 milhão. Para dividir entre eles. Sem ter que fazer muita força.

*** Agora, o que muita gente se pergunta é: O que faz num evento privado, que visa lucro, uma verba que, dizem, seria de R$ 400 mil? Comentário de outro cidadão comum ao blog: “Assim até eu. As despesas são do Governo, o lucro é meu…”. De minha parte, faço votos de que esse ‘Governo’ citado seja o Federal.

*** Ninguém confirma, mas consta que esta verba teria sido intermediada por aquela deputada que assumiu a vaga na Câmara Federal no lugar do falecido Enéas Carneiro. Ela é de Barretos, lembram? Se não lembram, reproduzo abaixo material oficial distribuído à época de sua visita ao Gabinete do prefeito Geninho.

Gabinete
Prefeito Geninho recebe deputada federal e pede verba para a Festa do Peão

O prefeito Geninho Zuliani (DEM) recebeu em seu gabinete, na tarde de sábado passado, 7 de março, a deputada federal Luciana Costa (PR), quando reivindicou verba para a realização da Festa do Peão de Olímpia, programada para o mês de junho. O prefeito da cidade de Paulo de Faria, Herley Torres Rossi (PDT) e o jornalista João Monteiro de Barros Neto, da Rede Vida, de Barretos, que acompanhavam a deputada, também participaram da reunião.

No encontro, Geninho pediu esforços da deputada Luciana Costa no sentido de fazer emenda ao orçamento da União, viabilizando recursos para a realização do evento. “Me comprometi com a população que Olímpia voltará a ter a festa do peão. Além de lazer, o evento também atrai turistas e gera aumento na economia local”, disse o prefeito. “Não podemos utilizar recursos da Educação e da Saúde para fazer festa. É ilegal e imoral. Então temos que recorrer aos deputados para conseguir estes recursos, que veem diretamente do Ministério do Turismo, especialmente para investimento nesse tipo de evento”, explicou Geninho.

Luciana de Almeida Costa (PR-SP) assumiu a vaga de deputado deixada por Enéas Carneiro (PR-SP), que morreu vítima de leucemia. Ela é dentista, tem 33 anos, e é natural de Barretos. Este é seu primeiro mandato. Antes de assumir o posto, ela ocupava cargo de confiança no gabinete de Enéas: era secretária parlamentar. Assim como Enéas, Luciana também foi filiada ao Prona e hoje está no PR. Os dois partidos se fundiram no início da legislatura.

*** Pois é, dizem as ‘inside-informations’ que ela teria conseguido o montante revelado acima. Sob que condições não se sabe, ou não quiseram dizer. O que sinceramente se espera é que o prefeito esteja cumprindo com o que disse e não esteja colocando dinheiro da Saúde ou da Educação na festança.

*** Amigos, até breve.

‘OXIGÊNIO’ PARA AS ÁGUAS DO THERMAS?

Amigos do blog, tomei conhecimento hoje, de um endereço na net – www.transparencia-no-thermas.blogspot.com – que abarca dezenas de olimpienses que estão formando um grupo, que democraticamente e pela livre decisão dos associados, pretende integrar a diretoria do Clube Thermas dos Laranjais.

É o grupo ‘Transparência’, conforme eles se denominam, e o objetivo, explicam, é o de buscar uma administração mais aberta, mais transparente e mais voltada ao público interno no que diz respeito aos equipamentos de lazer – principalmente esportivos.

Este grupo é composto por pessoas que não estão satisfeitas com a maneira pela qual o clube vem sendo administrado, maneira que julgam um tanto quanto ‘pessoal’ e fechada. Eles querem, pois, a abertura administrativa, o acesso a dados e números e o acompanhamento do desenvolvimento interno do clube.

Algo que eles tem comentado bastante é a pouca atenção que vem se dando ao associado nativo, aquele que em idos passados foi o principal auxiliar na concretização do sonho de um olimpiense que merece todas as honras possíveis, Benito Benatti.

Aliás, este é um capítulo à parte: Benito Benatti. O grupo ressalta que sua importância frente ao clube jamais deverá ser minimizada, até pela impossibilidade disso ocorrer, dada a grandiosidade de suas idéias, seu esforço para fazer do Thermas o que ele é hoje.

‘Será o eterno pai do nosso clube’, dizem. Mas, saindo desta esfera e focando as atenções nos outros aspectos deste clube de lazer, o grupo vê certas situações que mereceriam pelo menos questionamentos mais aprofundados. E são nestes aspectos que o grupo faz suas restrições.

E a pretensão de participar das eleições de abril do ano que vem não está apenas…na pretensão. O grupo deve divulgar até o final do mês sua proposta de ação, seu ‘estatuto’, e deixar bem informada a população votante do Thermas sobre o que, de fato, pretendem.

O que se espera – e aqui é a opinião do blog -, é que as ‘forças’ ocultas que sempre surgem nestas horas, usem de meios e artifícios pouco recomendáveis para distorcer esta pretensão genuinamente democrática e necessária. Se deixarem os associados se manifestarem, o resultado, seja qual for, terá toda a legitimidade necessária.

E, tanto melhor para quem está lá, hoje, se o contingente de votantes os avalizarem e assim aprovarem tudo o que foi feito, e a maneira como tudo foi feito até o presente momento.

Se, no entanto, pedirem mudanças parciais, que se conscientizem, os ‘eliminados’ de que, até agora, vinham atuando à frente do maior clube de águas termais do Estado, quiçá do Brasil, ‘apartados’ dos principais interessados, os sócios, e seus verdadeiros anseios.

Lembrando que Benito Benatti será sempre o presidente, terá sempre privilégios no tocante às decisões, nada mudará na sua relação com seu ‘filho’, até porque é ele, hoje, o principal ícone, o mentor intelectual e principal concretizador do sonho que revolucionou Olímpia.

Mas, será que já não está mesmo na hora de dar uma ‘oxigenada’ nas águas do Thermas dos Laranjais?

Página 1 de 2

Blog do Orlando Costa: .