Blog do Orlando Costa

Verba volant, scripta manent – 10 Anos

Tag: PR

CUNHA TEM UM LÍDER, MAS NÃO LIDERANÇA NA CÂMARA

Falta coordenação política à base do prefeito Cunha (PR) na Câmara de Vereadores. Falta, também, liderança política. A bancada cunhista está solta, “frouxa”, e por isso mesmo, imprevisível. Há fiéis da balança ali, que talvez sejam Fernando Roberto dos Santos, o Fernandinho, e Hélio Lisse Júnior, ambos do PSD. Havia também Selim Murad (PTB), mas este deu lugar a Marcão Coca (PPS) que ainda não mostrou a que veio (Ou será que já?).

São sim, seguidores da linha do chefe do Executivo, mas não estão imunes ao livre pensar e agir, em certas situações, como a de segunda-feira, onde o resultado político para o alcaide não foi dos melhores. Aliás, foi dos piores desde o início da gestão, frente à Casa de Leis.

Mas, tal resultado, que pegou a todos de surpresa, até mesmo àqueles que votaram contra o projeto de Lei 5.265, o alcunhado “projeto dos muros”, pode ser atribuído a esta “frouxidão”, no sentido de falta de força ou intensidade da liderança do Executivo no Legislativo. Talvez seja o caso, antes, de cobrar força e intensidade do próprio Cunha, no comando de seus aliados.

Exigir foco, força e nem tanta fé assim, nos demais pares. Para estes, devem ser reservadas a capacidade de convencimento, a argumentação firme, e a clareza de intenções, sem meios-termos, sem tergiversações. Em síntese, e isso não se pode escamotear a ninguém, o prefeito tem que ter a última palavra junto a seus representantes. Na base do “é?” ou “não é?”. Exatamente assim. Sem titubeios.

Ou vai continuar amargando as horas de insegurança quando uma propositura importante está em discussão e votação naquele Plenário. Foi a falta de tudo isso, com certeza, que ocasionou a primeira derrota política de Cunha, na noite trágica de segunda-feira passada. Faltou foco, faltou força, faltou liderança.

Ou será que sobrou arrogância? A prepotência, em política, é a pior conselheira que pode existir. O líder do prefeito, João Magalhães (PMDB), no afã de agradar o chefe – cuja principal atividade desde que assumiu a cadeira é atacar de todas as maneiras e por todos os meios seu antecessor Geninho (DEM) – entrou na seara do bate-boca entre Salata (PP) e Niquinha (PTdoB), e se esqueceu de orientar o voto.

Ou não é para isso que serve um líder? Secretários que lá estiveram, explicaram, explicaram, mas não prestaram atenção ao Regimento Interno, no seu Capítulo X – Do Plenário, Artigos 85 e 86 e parágrafos. Ou no Capítulo XI – Das Deliberações, Artigo 87 e Incisos.

Está nestes trechos do RI a forma de votação para projetos do tipo que foi rejeitado e arquivado. Ambos os subordinados de Cunha, após as explanações, “deitaram no berço esplêndido” de suas atitudes de desprezo pelo que ali se desenrolava, e pelos personagens que daquele ato faziam parte.

Também há relatos de que dentro da própria reunião houve quem não se dispusesse ao debate, à discussão de detalhes da proposta, ao entendimento, chamando para si a responsabilidade do resultado da votação, na base do “vamos pro pau”. Trágico. Porque também contribuiu para o resultado.

Enfim, foi um verdadeiro samba-do-crioulo-doido a ação governista segunda-feira, incluindo todos os personagens. Porque todos erraram. Erraram por não saberem a modalidade do que estavam votando -exceto o presidente, seu assessor parlamentar e os advogados da Casa.

Mas, todos alegam que “ninguém perguntou nada a respeito”. Daí imaginarem que todos sabiam qual era o trâmite.

E para que o leitor deste blog se inteire do procedimento, tomo a liberdade de reproduzir, abaixo, os capítulos e artigos do Regimento Interno que trata do assunto.

CAPÍTULO X
Do Plenário
Artigo 85 – Plenário é o órgão
deliberativo e soberano da Câmara,
constituído pela reunião dos Vereadores
em exercício, em local, forma e número
regimental para deliberar.
Artigo 86 – As deliberações do
Plenário serão tomadas:
a) por maioria simples de votos;
b) por maioria absoluta de votos;
c) por dois terços dos membros da
Câmara.
Parágrafo 1º – Maioria simples é a
que compreende mais da metade dos
votantes, presentes à sessão, obedecido
o “quórum” regimental.
Parágrafo 2º – Maioria absoluta é
a que compreende mais da metade do
número total de membros da Câmara.
Parágrafo 3º – Considerar-se-
á, também, como maioria simples, a
que representar o maior resultado de
votação, dentre os que participam do
sufrágio, quando forem computados
votos para mais de dois nomes ou
alternativas.
Parágrafo 4º – “Quórum” é
a presença mínima de Vereadores no
recinto, estabelecido regimentalmente.

CAPÍTULO XI
Das deliberações
Artigo 87 – Ressalvadas as exceções
previstas em lei, as deliberações da
Câmara serão tomadas por maioria
simples de votos, presente a maioria de
seus membros.
Parágrafo 1º – Dependerá do voto
favorável de no mínimo dois terços dos
membros da Câmara:
I – perda de mandato do Prefeito e
do Vice-Prefeito;
II – emenda à Lei Orgânica do
Município;
III – destituição de membro da
Mesa;
IV – alteração de denominação de
próprio, vias e logradouros públicos;
V – concessão de título de cidadão
honorário ou benemérito;
VI – alienação de bens imóveis;
VII – concessão de direito real de
uso;
VIII – rejeição de parecer prévio do
Tribunal de Contas;
IX – rejeição de proposta
orçamentária;
X – aquisição de bens imóveis com
encargos;
XI – pedido de intervenção no
Município.
Parágrafo 2º – Dependerá de voto
favorável de maioria absoluta dos
membros da Câmara a aprovação
referente a:
I – criação de cargo, emprego ou
função;
II – plano de carreira;
III – zoneamento urbano e utilização
do solo, compreendendo o código de
obras e edificações;
IV – concessão de serviços
públicos;
V – obtenção de empréstimos junto
a particulares;
VI – rejeição de veto;
VII – realização de sessão secreta;
VIII – Regimento Interno da Câmara;
IX – leis complementares;
X – cassação de mandato de
Vereador.

Se não bastasse isso, ainda há no Parágrafo 3º deste Artigo, a orientação sobre votação de emendas e alterações relativas às proposições ou leis que necessitem de quórum qualificado para aprovação, ou seja, seis votos, que dependerão, igualmente, do mesmo quórum qualificado para a sua aprovação em
Plenário, o que, em síntese, foi o caso do PL 5.265.

A lição, deveriam saber de cor. Se não sabiam, doravante saberão, espera-se, como se comportarem quando há interesses administrativos maiores em jogo. E este aprendizado é simples: basta fazerem tudo ao contrário do que fizeram na segunda-feira fatídica.

HÁ MESMO UM ‘PLANO DIABÓLICO’ DE CUNHA CONTRA GENINHO?

Não são poucos aqueles que, versados nas coisas da política olimpiense e seus personagens, atestam que o prefeito Fernando Cunha (PR) “detesta” o ex-prefeito Geninho. Alguns usam até expressões mais fortes para denominar o sentimento que o nobre alcaide estaria nutrindo pelo seu antecessor.

Estes mesmos versados, no entanto, não encontram explicações para tanto. Tem até quem arrisque dizer que “alguma coisa de muito grave” aconteceu lá atrás entre os dois para que Cunha, vira e mexe, “solte os cachorros” para cima de Geninho.

Como não havia provas cabais de tal comportamento, sempre levávamos a coisa como diz-que-diz, impressões, o “ouvi dizer”, o “parece que é assim mesmo”, etc.

No entanto, quando um vereador, que até pouco tempo atrás era detentor de uma das mais, se não a mais importante Secretaria do Governo, vem a público e faz uma denúncia da gravidade da que foi feita na sessão de segunda-feira passada, 4 de setembro, da Câmara, conclui-se que as conversas dos cafés fazem sentido e pelo menos “raspam” a verdade.

Salata (PP) vem de acusar o prefeito de articular um “plano diabólico” contra Geninho. O ex-secretário vai mais fundo ainda, e revela que o prefeito teria oferecido cargos aos vereadores para que votassem contra a prestação de contas do ex-prefeito, que está em vias de ser votada na Casa de Leis, com parecer pela aprovação do Tribunal de Contas do Estado.

Mas, como o julgamento de tais contas é político, Cunha estaria tentando fazer a maioria da Câmara, conforme Salata, votar pela rejeição destas contas, o que no final traria problemas para a ascensão política do ex-mandatário.

O que viria a ser um resquício do ódio cunhista por Geninho, a bem da verdade. Mas que não explicaria, como de resto o prefeito não explica, prefere tergiversar, declarando uma indiferença em relação a seu antecessor que, estamos vendo a cada dia que passa, não existe.

O ex-secretário de Turismo, Agricultura e Desenvolvimento Econômico de Fernando Cunha e agora vereador Luiz Antônio Moreira Salata fez na Câmara o que chamou de “desagravo” contra o chefe do Executivo, que disse em entrevista, entre outras coisas, ter sido obrigado a “engoli-lo” na Secretaria, para “ajustar a eleição da Mesa da Câmara”, o que em si já estende uma névoa de mácula sobre o poder Legislativo.

O vereador disse ainda que Cunha teria tentado “golpeá-lo de forma violenta”, por meio da Abecao. E na seara política fez a grave acusação contra o prefeito: a de que ele estaria “articulando um plano diabólico no sentido de rejeitar as contas de Geninho” na Câmara de Vereadores.

Disse Salata que, em abril passado, foi consultado por pessoas do Gabinete do prefeito, e teria se manifestado solidário ao ex-prefeito Geninho, com relação às suas contas.

“Em abril, de forma articulada, ele determinou ao meu suplente (Tarcísio Cândido de Aguiar, atualmente secretário de Agricultura) que viesse a esta Casa e consultasse alguns vereadores, e oferecesse cargos, para votarem contrários às contas do ex-prefeito. É um absurdo”, denunciou.

E o mais interessante a notar é que, mesmo diante de tão grave acusação, nenhum representante da bancada do prefeito levantou-se para defendê-lo, nem mesmo seu líder, João Magalhães (PMDB). Fizeram “ouvidos moucos”.

Salata pediu até que Cunha “pare de viver na sombra do ex-prefeito Geninho e comece a trabalhar”.

Pano rápido.

VEREADORES MOSTRAM FORÇA E UNIÃO, E SINALIZAM RUPTURA?

Pode ser que tenha sido uma postura de momento, pode ser que seja um ensaio sobre o futuro da Casa de Leis, mas é importante ressaltar que o prefeito Cunha viveu uma noite de derrotas seguidas ontem na Câmara de Vereadores.

Indiretas, por enquanto, já que os temas tratados foram, a princípio, do interesse do Legislativo -três projetos de Lei com pareceres contrários da Comissão de Justiça e Redação derrubados por maioria absoluta.

A dedução quanto a um possível novo posicionamento da Câmara se evidencia porque durante o Expediente, no qual os vereadores usam da Tribuna para tratar de tema de sua escolha, houve reclamações quanto à falta de respostas a requerimentos encaminhados a secretarias ou mesmo de atendimento a convite a secretários ou diretores para irem à Casa responderem ou explicarem questões consideradas  prementes.

Neste aspecto houve até um princípio de bate-boca entre dois edis, um alegando que o queixoso exagerava, uma vez que ele havia sido atendido em suas demandas e o outro dizendo que o defensor gozava então de privilégios junto ao Executivo, talvez por ser “menos igual” que os demais.

Por que três pareceres contrários da CJR em três projetos que não emanaram do Executivo seria indicativo de derrota a Cunha? Porque quem defendeu os arquivamentos foram João Magalhães (PMDB), líder do prefeito, e José Elias de Morais (PR), sempre do lado do poder, ambos integrantes da tal Comissão, presidida por Flavinho Olmos (DEM).

Magalhães até que tentou, argumentou quanto à inconstitucionalidade de tais projetos, lembrou do vício de iniciativa etecetera e tal, mas não convenceu a maioria de seus pares, que preferiram o embate. Até Zé das Pedras argumentou um pouco, mas do seu jeito estabanado acaba sempre colocando gasolina no fogaréu.

O primeiro projeto de Lei, que desandou a sessão, foi o de nº 5.191, de autoria de Antonio Delomodarme, o Niquinha (PTdoB), que trata da garantia de acesso gratuito a eventos artístico-culturais por crianças e adolescentes de baixa renda.

Na verdade, o vereador quer que, de alguma forma, o município controle a situação, fazendo garantir a gratuidade em circos, parques de diversões (não os parques aquáticos locais) para crianças que seriam de alguma maneira cadastradas pelo município, valendo aquelas de famílias que recebam o Bolsa Família ou outros benefícios sociais.

O segundo projeto, de nº 5.192, de autoria do vereador Hélio Lisse (PSD), dispõe sobre a distribuição domiciliar de medicamentos e materiais necessários aos procedimentos médicos para idosos previamente cadastrados no Sistema Único de Saúde-SUS.

E o terceiro, de nº 5.194, de autoria do vereador Fernando Roberto da Silva, o Fernandinho (PSD), dispõe sobre o período de atendimento interno nos caixas aos usuários dos estabelecimentos bancários.

Lembrando que, nos três casos, o presidente da CJR, Flavinho Olmos, votou favorável à tramitação, porém os membros Magalhães e Zé das Pedras votaram contrários.

E aí ficou implantada a distensão, uma vez que a rejeição aos projetos foram sempre por dois a um, e a rejeição aos pareceres, sempre por seis a três. E os três projetos foram aprovados em Primeira Discussão e Votação, também por seis a três.

Importante salientar que outros dois projetos, que emanaram do Executivo, foram aprovados sem maiores entraves -o 5.202, que dispõe sobre abertura de créditos especiais e o PLC 230, que altera parágrafo único da Lei Complementar 106, que dispõe sobre o Plano Diretor do Município. Ambos por unanimidade.

Pode-se argumentar então que é puro exagero deste blog apontar para uma futura ruptura na Casa de Leis frente ao Executivo. Pode-se argumentar que são projetos que realmente têm problemas legais e a postura dos dois membros cunhistas, três, na verdade, já que Sargento Tarcísio (PRP) joga no time governista está cheia de razão. Só que não.

O fato é que não foge à compreensão dos mais atentos que a Casa de Leis deu uma demonstração de força a Cunha, uma sinalizada no sentido de que ali não encontrará um mar de rosas.

É certo que, se aprovados, estes projetos serão vetados pelo Executivo, até por linha de coerência com seus defensores na Casa. Não havendo diálogo -e Cunha, já se disse aqui, é pouco afeito a ele-, pode ser que esta mesma bancada “rebelde” de seis vereadores tentem derrubar tais vetos.

Além de, por todos os meios, procurar desgastar a imagem política do prefeito, que já não é lá aquelas coisas.

De qualquer forma, é um mal sinal. Mostra que a Casa está pronta para o combate a qualquer tempo. Nessas horas, uma assessoria política traquejada faz muita falta a um administrador.

Nessas horas, deixa a cena os “escudos” legislativos, e entram os “linha de frente”, aqueles com capacidade plena de convencimento, ou um “conquistador político”, coisa que Cunha não tem ao seu redor, e parece ter dificuldade para se afinar com alguém assim.

Ademais, pode parecer que não é nada agora. Um fato circunstancial. Uma febre terçã. Vai passar. Até passa, o “paciente” volta ao normal, e tudo se tranquiliza. Mas há casos em que se morre vítima da tal febre. E o momento é de Cunha se antecipar ao pior. Decidir que tratamento irá então dar a ela.

De choque, para acabar de vez com o perigo? Ou paliativo, para apenas amenizar a temperatura momentânea da febre? Porque uma coisa é certa: a Casa de Leis foi “picada” pela fêmea infectada. E o antídoto, neste caso, seria uma boa dose de jogo de cintura, de conversação política. Enfim, de diálogo. E só Cunha pode ministrar a receita.

O ‘SANTO DE BARRO’ DAS FINANÇAS DE CUNHA

“Devagar com o andor que o santo é de barro”.

O irresistível provérbio português, quando dito é que esta pessoa está pedindo a outra ou orientando-a de que deve-se ter cautela, ter cuidado e calma ao fazer ou falar algo. Quem já não disse ou ouviu tal provérbio, principalmente dos mais velhos?

Pois agora ele vem bem a calhar, diante da divulgação festiva feita pelo Governo Municipal, de que a economia na folha de pagamento pode chegar a R$ 2 milhões por ano. Ou cerca de R$ 170 mil por mês, arredondando para mais.

Este Governo fala em cumprimento de compromisso firmado no início de 2017, pelo prefeito Fernando Cunha (PR), de “economizar o dinheiro público”.

Eu já disse neste blog que esta administração, quando não está parada, parece andar para trás. Ou de lado, feito caranguejo. Agora, posso acrescer que ela, quando está calada, é poeta, como já disse aquele goleador de triste figura ao se referir ao verdadeiro exemplo futebolístico que este país possui.

Não que não deva se comunicar, mas é preciso tomar muito cuidado com o açodamento verbal. Deixe-o para as ações que muito está devendo esta administração.

Até porque, comparar a folha de pagamento de janeiro deste ano com a de janeiro do ano passado não é critério absoluto. Para efeito de comparação, talvez janeiro de 2008, quando Geninho (DEM) assumiu fosse o mais adequado. De qualquer forma, há quem ache ser cedo demais para Cunha “cantar vitória” com sua folha de pagamento.

E uma das razões seria que ele ainda não preencheu todas as 70 vagas comissionadas previstas, o que terá que, forçosamente, fazer, haja vista a necessidade e, também, os compromissos de campanha. Não chegam a 50 os nomeados em comissão até hoje.

Outro fator é o de que ainda não foram designados todos os diretores e chefes de setores, divisões e departamentos, que recebem um diferencial em seus proventos. E, em última análise, também porque a máquina administrativa não começou a andar.

Engana-se quem pensa que este quadro será o quadro em definitivo do Governo, que com o passar do tempo será premido a alarga-lo, sob pena de não prestar um serviço público que supra a demanda.

E pelo lado negativo, sob pena de não ter sossego para trabalhar sem que seus aliados estejam na pressão por cargos -idem vereadores, bem sabemos todos.

E não somente na questão dos cargos, embora o foco de Cunha, conforme o texto oficial, seja a folha de pagamento. Ela não é tudo numa administração, embora seja o fator de maior consumo de recursos de forma constante.

Mas, ao que consta, o ex-mandatário sempre manteve a folha fora dos limites da atenção, fora da possibilidade de “estouro”. Gastava muito com seu quadro funcional? É relativo. Alguém aí falou em custo-benefício?

Mas, leiam o texto oficial para as considerações finais:

Como compromisso firmado, no início de 2017, pelo prefeito Fernando Cunha de economizar o dinheiro público, a secretaria de Administração divulgou que a folha de pagamento teve uma redução de R$ 112.646,21 no último mês. A comparação é referente ao período de janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

De acordo com o levantamento da secretaria, os vencimentos fixos (cargo em comissão) foram os que mais tiveram economia, um montante de R$ 74.077,72, sendo que foram pagos R$ 181.669,21 em 2016 e R$ 107.591,79 em 2017.

No total, em janeiro de 2016 foram pagos, em vencimentos fixos, subsídios, gratificação de função e estagiários, R$ 412.157,48. Já em 2017, esse valor reduziu para R$ 299.511,27. Com base nisso, estima-se que a economia projetada para o ano seja de R$ 1.827.797,40.

Notem o limite frágil da diferença. Avaliem que estamos apenas a 40 dias de um ano de 365 dias. Um mês e dez dias dentre outros dez meses e dezoito dias que faltam para fechar este 2017 e, consequentemente, o quadro das finanças em geral e da folha de pagamento, em particular.

Portanto Cunha estaria “vendendo” de forma precoce o que mais adiante pode não ter para entregar -e há quem aposte que ele não entregará.

“Uma das nossas prioridades é a redução de custos e gastos. Adotamos um critério de buscar uma administração profissional reduzindo a estrutura da prefeitura e reestruturando as secretarias municipais”, diz o prefeito.

Contraditoriamente, fala em “administração profissional reduzindo a estrutura da prefeitura”. Como isso é possível? São ações que não cabem na mesma frase. Ou ele profissionaliza (difícil saber exatamente o que isso signifique, analiso por suposto) ou reduz a estrutura. Uma coisa interfere diretamente na outra (caso esteja supondo corretamente).

Administrar, infelizmente, não comporta sonhos. E administrar entes públicos não comporta previsões de longo prazo, porque é preciso esperar sempre pelas imprevisibilidades.

Nada contra, nada mesmo, a fixação de Cunha por conter gastos. Cobra-se aqui a cautela necessária até para frear a tentação de “demonizar” o funcionalismo. Atirar em suas costas todas as mazelas financeiras de um Governo. Isso seria ruim e desumano.

Todos os funcionários são necessários, imprescindíveis para o bom andamento de uma administração e para o bom desempenho de um governante, sejam eles comissionados ou efetivos, considerando que os comissionados são nomeados por suas capacidades intrínsecas e não por compadrio ou favor político.

Louvável que o prefeito queira alcançar a cifra de R$ 10 milhões ao ano em economia.Trata-se de projeção futura, mas que não deve ter como base esta pífia diferença obtida agora porque, com certeza -e absoluta, ela se diluirá ao longo do tempo. É esperar para ver.

A propósito, há quem conheça o meio financeiro-administrativo que se diz pasmado com tal divulgação. “Não deve ser com o aval de Cunha que isso foi divulgado. Se foi, cometeu grave equívoco, demonstra alto grau de primarismo”, disse esta fonte.

E AS ‘MUDANÇAS’ NÃO PARAM; AGORA, O ORÇAMENTO

E para quem pensava que era tudo, se enganou. O prefeito Fernando Cunha (PR) encaminhou à Câmara na segunda-feira, 6 de fevereiro, para ser discutido e aprovado pelos senhores edis na primeira sessão ordinária desta Legislatura, o projeto de Lei 5.175/2017, dispondo sobre abertura de créditos especiais que nada mais era, na verdade, que uma correção de erro técnico na peça Orçamentária deste ano.

Quando o ventos não ajudam, tudo pode acontecer. Jamais se viu erro tão crasso em um documento que dizem ser elaborado por especialistas no assunto. Mas só que desta vez tais especialistas, ao que parece, tentaram inovar naquilo que não era possível inovar, tal qual certos setores da atual administração, que mexe onde não deve e, via de regra, piora tudo.

O Orçamento Geral do Município de Olímpia para o exercício de 2017, conforme a Lei 4.216/2016, de 29 de dezembro do ano passado, estima a Receita e fixa a Despesa em R$ 210.581.220,50, sendo R$ 156.652.011,88 do Orçamento Fiscal e R$ 53.929.208,62 da Seguridade Social. Tudo muito bem, tudo muito bom.

Até que os tais especialistas decidiram mudar a rubrica ‘subvenções sociais” para “contribuição”, imaginando que tanto fez como tanto faz. Mas não é bem assim. Isso daria um problema danado, a começar por que a entidade beneficiária não precisaria prestar contas daquilo que recebesse -R$ 319.680 no ano para cada uma, mais R$ 960 mil para a Santa Casa.

No total, a verba soma R$ 1.919,040 para Cidade Mirim, Imaculada Conceição, Instituto (está “Instituição” no projeto) Santa Filomena e Santa Casa de Misericórdia de Olímpia.

No artigo 3º, o documento entrega o jogo: “Ficam modificadas as peças de planejamento-PPA 2014/2017 e a LDO 2017, nos mesmos moldes e naquilo que for pertinente, conforme descrito nos artigos anteriores desta Lei.”

O vereador e líder do prefeito na Câmara, João Magalhães (PMDB), defendeu a propositura. “Tratam-se de subvenções sociais, mas constou que eram contribuições, quando as entidades não precisariam prestar contas, por isso a necessidade da mudança, da aprovação do projeto”, disse ele aos colegas, garantindo a aprovação por unanimidade.

EDITORIALIZANDO

O que mais surpreende neste novo Governo Municipal é não vê-lo debruçado sobre nenhum assunto específico. Pelo menos é o que se pode deduzir ao buscar na caixa de e-mail algum texto da assessoria que aponte neste sentido.

Até o momento, só generalidades, opiniões acerca disso ou daquilo, pretensões essas ou aquelas, mas nada específico, a não ser um certo quê revisionista desnecessário.

A comunicação do Governo, acreditamos, tem se visto em apuros para produzir material para a mídia diante de tamanha inércia. “Visitinhas” a isso ou àquilo sem necessidade específica não contribui para a boa imagem do administrador. Antes, soam como demagógicas, politiqueiras.

O governo que saiu ano passado pelo menos implantou o hábito de, toda terça-feira, reunir-se com determinado setor da administração e cobrar do secretário e seus auxiliares diretos, ações e resultados concretos destas. Funcionava. Cunha parece não acenar com esta possibilidade.

Completam-se, hoje, exatos 31 dias de Governo. Há quem diga que um gestor municipal só consegue dar “cara” e impor seu estilo de governar a partir do terceiro mês na cadeira, os chamados “primeiros 100 dias”. Um terço já se passou. E até então parece que Fernando Cunha (PR) ainda não desceu do palanque.

Seu governo vem mergulhado em um profundo silêncio, o que tem causado estranheza.

Mais uma vez, a comparação: há oito anos atrás, nesta época, o prefeito que saiu já havia balançado a estrutura da cidade e “bagunçado” a chamada opinião pública, dividindo-a entre aqueles que aplaudiam e os que criticavam suas primeiras medidas, seu “barulho”. Cunha nem isso. É uma quase unanimidade, nos tons de apatia.

As coisas permanecem como estavam antes. Porém com aparência de ter mudado para pior em alguns aspectos. Embora seja muito cedo para que tenhamos uma opinião formada. E talvez a propalada sanha centralizadora do alcaide venha impedindo que seu secretariado mostre a que veio, porque dali também não está saindo nada.

Dos nomes conhecidos a ocupar uma Pasta, não há muito o que se falar em termos positivos uma vez que assumem em uma situação totalmente diferente, com uma estrutura totalmente nova em relação aos tempos em que ocuparam tais funções, e há quem nunca ocupou função de tamanha responsabilidade, de cujas ações terão que derivar resultados concretos e imediatos, sem rupturas, por ser setor crucial para o desenvolvimento do município.

E dos “estrangeiros” menos ainda, eis que desconhecidos chegaram, desconhecidos do público permanecem ainda, “entocados” que se fazem.

Enfim, o compasso é de espera. Mas Cunha, para variar, poderia deixar o “varejinho” para seus secretários e assessores imediatos, e ir cuidar das coisas maiores. Fazer o seu caminho, abrir portas, criar uma base de sustentação política em nível regional, estadual e nacional.

As coisas estarão bem mais difíceis, agora, reconheçamos. Mas é nas adversidades que um administrador se impõe. Para navegar a favor do vento em águas plácidas, o remador da jangada se mostra o mais preparado dos homens.

Mas ao enfrentar tempestades e águas revoltas um timoneiro mostra a que veio: pode levar o barco a um porto seguro, ou não conseguir impedir que a embarcação naufrague.

Blog do Orlando Costa: .