Blog do Orlando Costa

Verba volant, scripta manent – 10 Anos

Mês: dezembro 2009 (Página 2 de 2)

‘TRANSPARÊNCIA’ COBRA TRANSPARÊNCIA DE GENINHO

O QUE SE VÊ É O QUE SE CRÊ

O QUE SE VÊ É O QUE SE CRÊ

Amigos do blog, não demorou muito para que o tal empresário da ‘comunicação’ de Olímpia recebesse o troco. Parece que o secretário de Cultura, Esporte, Turismo e Lazer, Beto Puttini, não se conformou com o resultado da conversa (se é que teve) com o prefeito Geninho, quanto àquela matéria fabricada sobre a atuação dele à frente da Pasta, publicada no jornal lá de cima. Se você ainda não teve acesso, se interessar procure o jornal ‘Gazeta Regional’ por aí, que vai ver. Artigo do secretário trás à luz fatos que muita gente dentro do Governo até agora ainda não teve coragem de trazer. Para quem tem conhecimento da discussão havida, identificará logo de cara a quem o secretário se refere. E parece que a coisa é bem mais grave até, do que imaginávamos. Mas, a coragem do secretário deve ser louvada. Se teve uma conversa com o prefeito, este deve ter tentado por panos quentes, como é do feitio do político profissional. Mas, embora seja um político de vários mandatos, parece não ser este o feito de Puttini. Foi buscar Justiça. Não a encontrando, tomou decisão própria, pessoal, de desancar seu desafeto publicamente, e revelar os porquês. Atitude que se encaixaria melhor em alguém da oposição, por assim dizer. Resta agora ao prefeito tomar uma decisão de ‘estadista’, visando manter a unidade de seu Governo. Ter discernimento para saber o que ou quem é mais significante para manter esta unidade. O que ele não pode é se portar como Pilatos. Porque tenho a impressão de que o assunto não morreu ainda. E que haverá desdobramentos. E quanto mais o prefeito demorar para dar o chamado ‘murro na mesa’, mais difícil ficará para manter o ‘tecido’ governamental intacto. Vide episódio recente com deterninada Secretaria….

 

VAI COMEÇAR
O Governo Municipal está anunciando para a próxima quarta-feira, 16, no Thermas, a presença do secretário de Administração do Estado, Geraldo Alckmin, que virá “para assinar o convênio com a ETEC” (mas este convênio já não estava assinado?). Tudo indica que a presença do ex-governador e candidato a presidente e a prefeito derrotado será mesmo é para dar o ‘start’ na campanha para o Governo do Estado. Porque não dá para imaginar o ‘picolé de xuxu’ de novo dando rasteira no Serra. Fala sério!

CURIOSIDADE
Pesquisando na net um pouco mais sobre o ilustre visitante, vejam amigos, o que encontrei em um blog chamado ‘Point Rhema’, de um tal pastor Carlos Roberto Silva, de Cubatão, São Paulo, postado em janeiro deste ano, por ocasião da nomeação de Alckmin como secretário, por Serra. Começa com uma citação bíblica atribuída a Mateus, capítulo 12, versículo 25: “Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá”. E por que este salmo numa referência a acontecimento político? Porque, como eu sempre advirto aqui, o pastor estava, também, vendo o ‘tecido político’ da tucanada, ‘esgarçado’.

SE NÃO, LEIAM ISTO
Texto do mesmo pastor, no mesmo blog, na mesma ocasião: “Ao que tudo indica, o ninho tucano se conscientizou dessa palavra (o texto acima, que os evangélicos chamam de ‘palavra’), com a nomeação de GERALDO ALCKIMIM, por parte do Governador JOSÉ SERRA, para ocupar a Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo. A Secretaria de Desenvolvimento, é uma pasta que terá muita importância, mormente neste momento de crise que atravessa a economia mundial, e São Paulo não pode parar. A pasta era ocupada por ALBERTO GOLDMAN, Vice Governador que cumulava (sic) o cargo. A nomeação, propõe bandeira branca nas possíveis rachaduras provenientes do último pleito eleitoral, quando foi visível a preferência do governardor pelo prefeito eleito, agora empossado GILBERTO KASSAB, do PFL (…)”. PS: Kassab, não se esqueçam, é ‘irmãozinho siamês’ do Rodrigo Garcia, que também virá com Alckimin. Portanto, fica valendo aquilo que disse acima. Nada de rasteira, hein, secretário….

NÃO É SÓ AQUI
Os amigos do blog sabem, se não sabem fiquem sabendo, que até agora o prefeito Geninho não prestou contas – a ninguém! – do quanto e do como gastou dinheiro na festa do peão. Nem por ordem judicial. Uma representação da Câmara contra o prefeito, cobrando respostas a requerimentos de informações da vereadora Guegué (PRB), teve acolhida da Justiça, mas o prefeito, consta, entrou com o chamado embargo de declarações, por aqui mesmo, ao invés de direto em São Paulo – dizem que para ganhar tempo, pois se perder aqui, recorre na capital – e assim não precisa já, de pronto, ter que prestar estas informações. Sendo assim, a pergunta do blog é: Se não tem nada a temer, por que não presta as informações requeridas? Quer o prefeito simplesmente ‘peitar’ a vereadora, numa atitude de revanchismo puro, ou temo prefeito algo a esconder neste mato?

SEM NÚMEROS
E, para aumentar ainda mais as suspeitas de que pode ter caroço neste angú, também o “Transparência Brasil’ está esperando esta prestação de contas do alcaide olimpiense. No site da organização, no espaço dedicado às demonstrações de contas e situações dos ditos convênios, município por município, consta que o convênio SIAFI número 703594, está com a situação “Não informado”, no que diz respeito à prestação de contas. Com o número original 00374/2009, diz a publicação que o objeto do convênio foi o Olímpia Rodeo Festival, firmado com o Ministério do Turismo, por poder concedente tendo a Coordenação-Geral de Convênios-CGCV, e convenente OLIMPIA-PREFEITURA, no valor de R$ 500 mil, sendo liberado na totalidade, em 26 de junho, cujo final da vigência do contrato ocorreu em 27/09/2009. Coube ainda ao município, uma contrapartida de R$ 83.645,04. O dinheiro, propriamente dito, foi depositado no dia 8/07/2009. Portanto, conformem-se, amigos. Se não prestou contas aqui, Geninho também não prestou contas acolá.

A SORTE DE ALAOR
“Alaor Tosto assume Secretaria de Administração”, diz título de material encaminhado à imprensa pela Assessoria de Imprensa do Governo Geninho. Nomeado pelo então prefeito Gustavo Pimenta (não, amigos, não pensem que por decisão própria!), Alaor é Tosto do Amaral, vem de Votuporanga, como já foi fartamente divulgado. Sua nomeação na qualidade de Agente Político, ocorreu no dia 5 passado, por meio do Decreto n° 4609/09. Sua Pasta, e isso todo mundo também sabe, foi desmembrada de Finanças, que continuará sob a tutela de Cléber Cizoto. Diz o texto que ele veio “auxiliar o prefeito Geninho Zuliani (DEM) na reorganização administrativa da Prefeitura”. E que é o “terceiro votuporanguense a fazer parte do time do prefeito de Olímpia”, juntamente com Valter Trindade e Marcos Garcia Laraya, superintendente e assessor do DAEMO, respectivamente. Diz o texto ainda que Alaor “tem bagagem para tanto” porque, “afinal, foi secretário municipal de Administração da Prefeitura de Votuporanga no exercício passado (?)”. E que em 111 pregões realizados no ano passado naquela cidade, quando estimava-se um gasto de R$ 5,2 milhões, teriam sido gastos, na verdade, ‘apenas’ R$ 4,3 milhões. Bom, em Olímpia ele vai assumir uma Pasta que terá em caixa mais de R$ 3,363 milhões para gastar em 2010. Vamos ficar de olho para vermos quanto vai sobrar….

‘RENOVAÇÃO’ VENCEU A ‘UNIÃO’, E A DEMOCRACIA SE FEZ

PRESIDENTE DA UEUO-2010-2011

PRESIDENTE DA UEUO-2010-2011

Amigos do blog, como disse aqui, ontem à noite aconteceu a eleição para a escolha da nova diretoria da União dos Estudantes Universitários de Olímpia, A UEUO. No final das contas, somente uma chapa concorreu, a ‘Renovação com Transparência e Luta’, do José Ricardo de Lima. A chapa do Marcos Santos, o ‘Marquinhos do Psol’, foi  impugnada, porque ele tinha como tesoureira uma estudante cuja carteirinha havia  sido confeccionada no dia 30 de novembro. E não era bolsista. O prazo para que ela  tirasse a carteirinha e pudesse participar da chapa e até votar, era 27 de novembro. Ou, se fosse bolsista, independeria de qualquer data. E para que ninguém depois alegue qualquer laivo de ilegalidade, a diretoria eleita informou na noite de ontem que esta mesma estudante havia sido convidada para integrar a chapa vencedora, mas ao saberem de sua situação frente à entidade, a teriam informado desta impossibilidade, e por quais razões. E mesmo assim ela foi se encaixar na chapa ‘União e Transparência’. E por isso a chapa foi impugnada. O resto é lenda, má-fé, ‘artesanato’ da notícia.

ATO HOSTIL
A vitória da chapa ‘Renovação com Transparência e Luta’, após três exaustivas horas de votação na sede da UEUO, acabou por apaziguar os ânimos do início dos trabalhos, quando até parte da imprensa mostrava seu furor por causa da impugnação da chapa zulianista. Contam que houve ameaça de agressão física, contida por alguns presentes, ofensas verbais, e o chão da Galeria da 9 ficou abarrotado de um panfleto pretensamente denuncista contra ‘mazelas’ que teriam sido praticadas pela diretoria atual e anterior, e cuja imprensa atrelada tentava ‘colá-las’ ao presidente da Câmara, Hilário Ruiz. Há que se ressaltar ainda a atitude deselegante e de má-fé praticada pelo ex-candidato oposicionista, que lá ficava pedindo votos para quem chegava ao local, mesmo não tendo seu nome na cédula. Àqueles estudantes menos avisados era dito que seu nome não estava na cédula porque a chapa, digamos, situacionista, estava boicotando-o. Assim, o nome da chapa era escrito nela, na frente ou no verso, à mão.

QUE PAPO É ESSE?
Não houve ‘voto de protesto’, como a imprensa atrelada já cuidou de espalhar no dia de hoje. Houve, sim, o voto na chapa ‘União e Transparência’ de quem quis votar nela. Talvez votassem em branco se o ex-candidato não induzisse estudantes mais desatentos a erro, pedindo votos para si, quando não podia fazê-lo. Mas, no final, 52 a 35, eleito José Riocardo de Lima para assumir os destinos da entidade em janeiro de 2010.

LEGITIMIDADE
Outra ‘peça’ da imprensa atrelada, dá conta de que, pelo baixo comparecimento de estudantes, a eleição não teria ligitimidade. É de fazer rir. As eleições anteriores nem votos de terceiros tinham. Estas eleições eram, na verdade, uma espécie de ‘ação entre amigos’, com os mesmos revezando-se nos cargos. E isto vem de longe, é bom que se diga. Este blog vê como um sinal de amadurecimento estes 87 estudantes irem votar (menos de 20% dos cerca de 480 inscritos), numa noite de terça-feira chuvosa. E poderia ter sido muito mais democrático ainda o pleito, se as duas chapas estivessem concorrendo. Mas, na opinião do blog trata-se de um processo nascente, e a esperança é a de que, nas próximas eleições, este número cresça cada vez mais, levando os estudantes a terem uma postura de maior ação política, de conscientização de seus direitos e deveres.

PROTOCOLO
Por outro lado, Marquinhos só não esteve no pleito por uma sucessão de erros cometidos por ele mesmo. Começando pela inscrição da moça nas condições já citadas acima, passando pela não aceitação de trocar o nome para o cargo de tesoureiro (desconfiado, rasgou o compromisso firmado por escrito de que podia trocar, mesmo após o prazo da inscrição de chapas ter vencido), e por insistir até o fim, em ser presidente da chapa ‘Renovação’, e só depois montar a sua. Aí não houve tempo hábil para a mudança, razão pela qual a atual diretoria abriu exceção e lhe deu a oportunidade, que ele não aceitou. E quanto à notificação sobre a impugnação de sua chapa ela lhe foi, sim, entregue a tempo. Ele é que não quis assinar, mas pediu que tirasem cópia, que ficou com ele. Portanto, estava notificado. No mais, venceu a democracia, a seriedade, a transperência nos atos. Marquinhos Santos sabe disso. Tanto que ao final mostrou seu ‘fair-play’, parabenizando e abraçando o vencedor.

MUDANÇA
A prefeitura vai mesmo se transferir para o prédio do Daemo. Ou, melhor, o núcleo administrativo da prefeitura vai se mudar para a Praça Rui Barbosa. Prefeito, secretários internos, funcionários de segundo escalão. O Daemo, por sua vez, deverá ocupar as dependências do prédio onde até pouco tempo atrás funcionou a Coletoria Estadual, na Rua São João, em frente à Delegacia de Polícia, que já está em reformas.
O prefeito diz que as dependências da ‘velha’ prefeitura está pequena demais. Não se sabe se por causa de tanta gente que foi colocada ali, ou se por causa do próprio ego do alcaide.

SECRETÁRIOS
As apostas no troca-troca mantiveram-se estáveis nos últimos dias. As especulações vão sendo todas derrubadas, a cada dia. Mas, os frequentadores dos cafés não desistem de acreditar que ‘um ou dois’ alto escalão vai cair. E que o ‘bololô’ de fim-de-ano vai mesmo acontecer. Embora o secretário de Obras, Gilberto Toneli Cunha, tenha dito de público, hoje, que ele não vai “para lugar nenhum”. Ou seja, ficará na Pasta em que está. E que não ouviu falar nada a esse respeito, nem sobre iminentes quedas de colegas seus. Só o tempo dirá.

MUNDO ME QUER, MUNDO NÃO ME QUER, MUNDO ME QUER...

MUNDO ME QUER, MUNDO NÃO ME QUER, MUNDO ME QUER...

CANABIS
Amigos do blog, Fernando Henrique Cardoso aparece em 11º lugar na lista dos 100 maiores pensadores de 2009 feita pela revista norte-americana Foreign Policy, uma  posição acima à de Bill Gates. O político, que presidiu o Brasil de 1º de janeiro de 1995 a 1º de janeiro de 2003, foi reconhecido pela postura tomada na batalha contra as drogas. FHC é a favor da descriminalização de substâncias como a maconha, como esclareceu em entrevista à Rolling Stone Brasil, publicada na edição de maio, ao afirmar que “o usuário é uma vítima do negócio”. Os editores da Foreign Policy escolheram uma frase para justificar a alta colocação do ex-presidente brasileiro: “Por chamar a guerra contra as drogas pelo que é: um desastre”. Puxa, é tão fácil assim, ser um dos melhores pensadores do mundo?

E VAI PASSAR?
Esta é para quem acredita – mesmo! – em Papai Noel: Em meio às comemorações pelo Dia Internacional contra a Corrupção (comemorado(?) hoje), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou mensagem que encaminha ao Congresso Nacional projeto de lei que transforma em crime hediondo atos de corrupção praticados por altas autoridades públicas. O projeto de lei assinado pelo presidente Lula propõe alterações no Código Penal. Essas mudanças aumentariam as penas mínimas de dois para quatro anos de prisão para pessoas envolvidas em corrupção. O período inicial de reclusão no caso de corruptores e corruptos com cargos públicos seria fixado em oito anos. A proposta de lei, que precisará de aval de deputados e senadores (e aí mora o perigo!), poderia, se estivesse em vigor, agir diretamente contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), e contra deputados da Câmara Legislativa do DF, suspeitos de participar de um esquema de mensalão na capital federal. Ao transformar a prática de corrupção ativa e passiva e suas correlatas (concussão e peculato) em crime hediondo, o projeto prevê que o ilícito passe a ser inafiançável e passível de prisão temporária.

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO...

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO...

VEJAM SÓ!
Indicadores de corrupção utilizados pelos principais institutos internacionais mostram que, nos últimos dez anos, o Brasil não conseguiu melhorar seu desempenho nesse quesito. Em algumas pesquisas, inclusive, a realidade brasileira piorou no período. De acordo com levantamento feito pela BBC Brasil, o país chegou a melhorar sua posição em alguns rankings – em geral porque os institutos ampliaram o número de países avaliados, incluindo governos menos democráticos e transparentes. Em termos absolutos, porém, não houve melhora das notas obtidas pelo Brasil nos últimos anos. No Índice de Percepção da Corrupção divulgado anualmente pela ONG Transparência Internacional e considerado um dos principais indicadores, a nota do Brasil caiu de 4,1 em 1999 para 3,7 este ano.

+ OU – LIVRE
O levantamento é feito com base na percepção de especialistas e empresários locais sobre o grau de corrupção na esfera pública de seu país. Pontuações abaixo de 5 indicam problemas sérios de corrupção. Outro indicador que mostra a piora do desempenho brasileiro é o Índice de Liberdade Econômica, elaborado pela Heritage Foundation. Segundo a edição de 2009, o Brasil está 35% “livre da corrupção”, praticamente estável em relação a 1999, quando o índice era de 36%. Já o indicador do Banco Mundial – que considera não apenas a percepção, mas dados coletados em mais de 200 países que indicam o nível de combate à corrupção – o Brasil manteve-se praticamente estável de 1998 a 2008 (isso é bom ou ruim?).

‘A FÁBRICA DE FATOS’ E AS ‘AÇÕES CULTURAIS’

COMENTÁRIOS OFF!

COMENTÁRIOS OFF!

Amigos do blog, acabo de ser ‘massacrado’ por certa figura abjeta do meio, por causa de algumas colocações feitas aqui na sexta-feira, cobrando postura, atitude, ação de quem de direito, mas não gostaram, e responderam não com argumentos, mas com agressões até em nível pessoal. Um jeitão anacrônico de se posicionar sobre questões que deveriam fazê-los refletir e discutir em alto nível. Mas, não há de ser nada. A história fará justiça. E hoje, quero também fazer uma observação sobre chamada de capa de matéria publicada sábado passado no jornal ‘Tribuna de Olímpia’, semanário que está se especializando na invenção dos fatos e não cumprindo simplesmente sua função básica, que é a divulgação dos fatos. Mas, quando não os há, o jornal os tem inventado, pude constatar ao longo das suas últimas edições. Especificamente a de sábado – não vamos falar aqui daquela presepada criada contra o secretário municipal de Cultura, Esporte,Turismo e Lazer, Betto Puttini, que gerou uma crise devidamente ‘abafada’, mas ainda mal resolvida no Governo Municipal. Trata da sessão ordinária da Câmara Municipal de Cajobi, acontecida quarta-feira da semana passada, onde foram rejeitadas as contas do prefeito Dora Sandrini, de 2007, por causa de não pagamento de precatórios. O jornal chamou a matéria na capa e tascou lá que, após a sessão, houve ‘quebra-quebra’. Levei um susto.

ALUCINAÇÃO
Já conversei até informalmente com a repórter daquele semanário sobre isso, já que láestive também e não vi ‘quebra-quebra’ nenhum, garanto. Comentei isso com ela, e acolega me garamtiu que sim, tinha havido ‘quebra-quebra’, e que eu não tinha visto, em outras palavras, “porque não quis ver”. “Cada um vê o que quer ver, ou o que interessa ver”, me disse ela. Bom, então tá. O que houve lá, após a sessão, ainda classifico como bate-boca, e não como uma quebradeira geral tal aquela no campo do Coritiba. Ainda fiz esta observação. “Quebra-Quebra é aquilo, falei”. Não adiantou. Mas, a bem da verdade, ali está explicita uma imprecisão jornalística, para dizer o mínimo. Alí está a invenção dos fatos, necessária para fazer casar o acontecimento com os interesses do dono da publicação.

A RAZÃO
Porque aquele jornal ataca Dora Sandrini? Não são por razões diferentes daquelas pelas quais ‘fabricou’ enquete sobre o secretário Puttini: patrocínio publicitário. Dinheiro. Grana. Bufunfa. Aquele mesmo que ele busca nas demais prefeituras, com a condição de “não meter o pau” no prefeito. Há relatos, inclusive, de certa prefeitura da região, onde se disse claramente porque eram dadas tantas ‘pauladas’ no prefeito. Ele não estava soltando a ‘ferpa’. Hoje não sei como anda a relação do jornal com aquele alcaide, mas vazou que a pedida, pelo menos, foi alta. No caso de Sandrini, há ramificações que alcançam o prefeito olimpiense, e já teria havido tentativas de ‘acomodação’ da situação, mas ainda a questão está pendente.

A LAMENTAR
Infelizmente ainda se faz este tipo de imprensa em Olímpia. Melhor dizendo, infelizmente trouxeram de volta este tipo de imprensa para Olímpia. Um capítulo doloroso do meio, sendo revisitado por figuras que nem sequer conhecem a fundo a alma olimpiense. Um tipo de jornalismo que julgava-se banido por aqui, já que os profissionais ‘das antigas’ – ainda que sem ‘deproma’ – são respeitáveis e sabem os limites de um texto, respeitam os parâmetros de uma reportagem, respeitam, acima de tudo, a inteligência do leitor. Trabalham com decência. Profissionais que deveriam, isto sim, serem condecorados pelo sindicato, e não perseguidos por ele. Sindicato que, por sua vez, deveria fazer blitz, ‘pente-fino’ ou o que seja, nestes antros de pérfidos caçadores de ‘recompensas’ (perdoem os amigos por tantas aspas, mas analogias são necessárias). E, o pior de tudo, é que certa parcela do poder constituído local também lê e professa esta cartilha (mas este é um outro capítulo).

POLÍTICAS CULTURAIS?
A assessoria de Imprensa do prefeito Geninho envia release aos veículos de comunicação da cidade, informando que “Olímpia discute políticas culturais em Conferência Estadual”, destacando que “durante o evento, quatro olimpienses foram eleitos delegados e irão à (assim mesmo, com crase) Brasília em 2010”. Diz o texto que foram dois eventos promovidos pela Secretaria de Estado da Cultura, nos dias 25 e 26 de novembro: a 1ª Conferência Estadual de Arte e Cultura e a 1ª Conferência Estadual de Culturas. E que os quatro olimpienses eleitos entre os 50 delegados que representarão o Estado são Rodrigo César Marini (representante do Poder Público), Diego Ribeiro Dimarco, Jair da Silva Rego e José Roberto Pimenta (representantes da sociedade civil). Produtores, artistas, representantes de entidades e instituições culturais e dirigentes municipais discutiram as políticas de fomento da Secretaria, e os delegados e dirigentes de Cultura do Estado discutiram e debateram depois “políticas culturais”.

IMPORTÂNCIA
Depois, o release do Governo diz, sobre a ‘importância’ do evento, que Olímpia representou a região administrativa de Barretos, englobando 17 cidades, e que “além de representarmos uma região, elegemos quatro pessoas para a delegação, mostrando que estamos com prestígio”, conforme disse o secretário municipal de Cultura, Beto Puttini. Malgrado o ufanismo oficial pela ‘participação’ em tão ‘importante’ acontecimento, as perguntas do blog são: e daí? Qual o resultado prático disso? O que Olímpia levou como proposta cultural? Quem são e qual a bagagem na área dos quatro delegados eleitos? Quais as principais diretrizes a serem defendidas por eles? Levaram para o encontro algo como um ‘caderno’ de ações previstas na área para a cidade nos próximos anos, etc? Isso o release não diz. Fica apenas no lufa-lufa governamental, tais como: “Pela primeira vez o Poder Público tem dado esta oportunidade de participarmos”; “Isso tem feito a nossa cidade conquistar mais espaço no cenário Nacional”, ou a pérola do secretário: “(…) Pois o verdadeiro estadista não é aquele que faz sozinho, mas sim aquele que realiza em grupo”. Muito bem, vamos aguardar então e ver o que o grupo realizará em 2010.

AQUI
E internamente, o que estamos discutindo sobre o tema?

FALANDO NISSO
Passou a vigorar desde o dia 2 último, a lei que institui o Dia Nacional do Bumba-Meu-Boi, a ser comemorado em 30 de junho. A publicação saiu no Diário Oficial da União. O folguedo sintetiza a história do brasileiro na época do Ciclo de Gado no século XVIII. A festa enfoca as relações sociais entre escravos, índios e senhores da casa grande. A lei foi proposta pelo deputado maranhense Carlos Brandão (PSDB/MA) e teve como relator o deputado Pinto Itamaraty (PSDB/MA). O Bumba-Meu-Boi é representado de acordo com as peculiaridades de cada lugar, mas sem desrespeitar a lenda que o originou, que consiste na ressuscitação de um boi que não deveria ter morrido. No Maranhão, a festa é promovida no meio do ano, durante as homenagens a São João e a São Pedro. E aqui em Olímpia, todos sabem, os bois, em suas várias facetas (quando deixam vir) nos enchem de viva alegria sempre em agosto, no nosso Festival do Folclore. E sabiam que só São Paulo, no Brasil, não tem boi?

AQUI II
E a Casa do Caipira, ou Caboclo, no Recinto? Vai ficar lá, às moscas? Será que uma roda de viola, uma boa noite de causos, regada a boa música regional, com comidas típicas, até, ficaria tão caro assim, secretário?

A ARTE DE BANALIZAR A DEMOCRACIA

REZA, REZA, REZA, MAS A ASSOMBRAÇÃO....

REZA, REZA, REZA, MAS A ASSOMBRAÇÃO....

Amigos do blog, me disseram que alguém por aí teria vestido a carapuça do ‘louca de pedra’ que postei aqui na sexta-feira. Disseram que, por conta disso, deitou falação, impropérios, ameaças e até resvalou para o pessoal. Sem saber se era de dita figura que falávamos. Deitar falação, digo aos amigos, é o que esta pessoa faz de melhor (ou pior, dependendo das, digamos, circunstâncias…). Dizer impropérios é típico desta figura, que não tem argumentos e não conhece mais que meia dúzia de adjetivos. Quanto às ameaças, não as temo, porque há anos sempre estive professando ao lado do bom jornalismo – ache ela o que quiser achar, já que de bom jornalismo ela está a milhas de distância – e resvalar para o pessol não nos surpreende, porque sabedores do caráter covarde e sem noção que esta figura ostenta. E até por sabermos que ela não sustentaria uma discussão pública sobre questões pessoais. Por motivos óbvios. Me disseram também que ela disse ter gravações (?) e que qualquer dia vai colocá-las (onde?), ou que irá me processar. Mas, porquê? Se de fato ela usou do seu tempo para dizer sandices, usou-o muito mal. Deveria usar este tempo para esclarecer a opinião pública sobre as reais atribuições e preocupações do sindicato a que pertenceria. E o que este sindicato vem fazendo em defesa do aprimoramento desta mesma categoria, que cobro sempre porque, posso não ter frequentado uma faculdade de jornalismo, mas conheço muitos dos que saem dela, cuja convivência me assegura a tranquilidade de falar o que falei e continuarei falando. Se o que postei aqui a ofendeu, sinto muito. Mas, não a critiquei pessoalmente, cobrei o sindicato. Se é assim que a entidade se porta quando recebe uma provocação legítima, então sai de baixo, pobre cidadão….

AINDA A UEUO
Hoje no meu programa de rádio – Cidade Aberta, na Rádio Menina AM – a UEUO foi a discussão. O presidente da chapa concorrente ‘União e Transparência’, Marcos dos Santos, o ‘Marquinhos do Psol’, foi entrevistado para falar de sua proposta para os estudantes e aproveitou a oportunidade para ‘alfinetar’ a chapa concorrente, ‘Renovação com Transparência e Luta’, dizendo, em outras palavras, que ela seria ‘do  PT’. E como já disse aqui na sexta-feira, o Marquinhos é conhecido como ‘Marquinhos  do Psol’ não é à toa: ele foi presidente do partido na cidade, um de seus fundadores, e isso ilegitima sua acusação. Perguntei-lhe a razão da ‘suspeição’ da eleição alegada, por qual razão ela existiria, e ele respondeu que “há rumores de que a outra chapa estaria fazendo carteirinhas com data retroativa”. Mas disse não ter provas. Ora, isso é questão de fácil comprovação, basta investigar, questionar estudantes que sabidamente não tinham sua carteirinha antes, ou outra forma qualquer, não é difícil. E se há suspeitas, porque não pedem a suspensão do pleito, até apuração dos fatos?

MÁQUINA
Por exemplo, a chapa concorrente também diz ter suspeitas de que estaria havendo o uso da máquina

ÚLTIMO DESEJO

ÚLTIMO DESEJO

pública em favor da chapa do ‘Marquinhos do Psol’. O assessor do prefeito, Pitta Poliselo, teria feito reunião – “quinze a quinze” – com os estagiários, que seriam mais de uma centena, dentro da prefeitura, para “falar mal da atual dioretoria da UEUO”, segundo relatos de alguns que participaram do encontro. E não só isso, outra suspeita é a de que teria havido reunião a portas fechadas com o presidente da chapa ‘União e Transparência’, onde se tratou da eleição da entidade. Tal reunião teria sido em outra repartição pública, e envolveria altas ‘patentes’ do Governo Municipal. E a chapa do ‘Marquinhos do Psol’ parece querer derrubar o direito a voto apenas àqueles que têm suas carteirinhas de sócio emitidas após 27 de novembro deste ano, data da publicação do edital de convocação de eleição da UEUO. Ou seja, quer deixar todo mundo livre para votar, até os sem-carteirinhas. Isso é ‘golpe’.

DIREITOS IGUAIS
Na questão da reunião com estagiários, o mínimo que se podia fazer para a lisura do pleito, era permitir que as duas chapas falassem com eles. Se não em um debate, pelo menos em reuniões separadas, fora do horário do expediente, e fora, principalmente, de qualquer repartição pública. Isso seria lícito, e próprio da democracia. O contrário é ilegal. No mais, reitero que ambos, José Ricardo de Lima, e Marcos Santos, têm direito legítimo de pleitearem a direção da entidade, como cidadãos e universitários que são, como têm também direito legítimo e cristalino de estarem filiados ou dirigindo agremiação partidária. Querer partidarizar isso, como tentou fazer hoje o próprio ‘Marquinhos do Psol’, é reduzir a importância que as partes em disputa veem no pleito de amanhã.

SECRETÁRIOS
As apostas sobre quem cai e quem fica continuam altas, e bastante variadas. Mas, centrada em dois focos – um deles, até para surpresa deste blog, seria a Educação. O outro, a Assistência e Desenvolvimento Social. Mas há quem aposte também em Obras, ou na chefia do Daemo, ou mesmo no Planejamento. Mas, nestes casos, seriam ‘quedas para o alto’, porque apenas se trocariam as funções, mas o nomes permaneceriam os mesmos. Muitos não acreditam na hipótese da Educação. Até mesmo porque o prefeito teria, como se diz, “buscado a professora Eliana em casa”. Ela própria disse isso, no início. E, depois, muitos vêm com bons olhos seu desempenho. Mas, outros já lembram das ‘chicanas’ políticas usuais em determinadas situações, momentos e circunstâncias. E aí, até balançam a cabeça afirmativamente, embora com desolação. E sua eventual saída passaria por articulações de um certo ‘peso-pesado’ que hoje circula pelo poder.

DEMOTUCANO
Pois é, não dizem que a circunstância faz o homem? Ou que o homem é sua circunstância? Ou que o homem é produto do meio? Ou que o político tem um discurso cá e outro acolá? Que faz promessas para não cumprí-las? Que fala, às vezes, o que lhe é pertinente falar, dadas as figuras que o rodeiam? Mas que, no seu íntimo, sabe que aquilo tudo é inverossimel? Pior, dizem, são aqueles que sabem disso, mas fingem acreditar que será como fala aquele político. Em nome de um ideal considerado maior, que é a chamada ‘unidade político-administrativa’.

ELE SAI
A primeira ‘baixa’ do Governo Geninho Zuliani, em nível de escalão médio, será do assessor de Finanças da prefeitura, João Vitor Ferraz. Ele confirmou a este blog que irá sim, deixar o cargo, ano que vem, para cursar a faculdade de Medicina, em Marilia. Turma dos ‘sem-cargo’ já está no maior frisson….

ENTÃO TÁ
O prefeito Geninho Zuliani (DEM) alocou no Orçamento/2010 um repasse de R$ 780 mil para a Santa Casa de Olímpia. Isso dá, mensalmente, R$ 65 mil. Ou seja, R$ 15 mil acima da verba que é repassada este ano. Por outro lado, a Câmara Municipal, por meio do presidente Hilário Ruiz, havia disponibilizado à prefeitura, de seu duodécimo, para o ano que vem, R$ 180 mil. Ou seja, R$ 15 mil por mês. Alguns mais atentos andam juntando dois mais dois e concluindo que nada, portanto, sairá dos cofres do Executivo, que não seja o mesmo valor deste ano. Capicce?!

AMIGO DE QUEM?
A diretoria do hospital continua esperando a visita daquele prefeito ‘amigo da Santa Casa’, que prometeu repassar ao hospital, quando na cadeira da 9 de Julho, “o triplo” do que era repassado até então mensalmente, ou seja, R$ 150 mil. Mas, para o ano que vem, o hospital vai receber pouco mais 43% do prometido. E ainda assim, suspeita-se, com dinheiro da Câmara ‘junto e misturado’.

PREFEITO VOLTA PARA ASSUMIR EXTINTOR E FOGAREIRO

Amigos do blog, o prefeito Geninho Zuliani (DEM) chega a Olímpia neste final de semana, e deve reassumir o posto nos primeiros minutos de domingo. Como se sabe, ele esteve em Paris (porque neste momento já deve estar de regresso), e o seu vice, Gustavo Pimenta (PSDB), assumiu a cadeira, desde sábado passado. E teve uma primeira experiência político-administrativa não muito tranquila. Por razões que já detalhei aqui. A chegada do alcaide, espera-se, seja o bálsamo a curar as feridas provocadas por seus próprios parceiros, no chamado ‘fogo amigo’. Pimenta, até onde se sabe, conseguiu apenas colocar a ebulição em fogo brando, e extirpar as chamas que insistiam em queimar para além da ‘pira’. Mas, é bom que o prefeito saiba de antemão que a água continua fervendo, e as chamas apenas tornaram à condição de brasas incandescentes. Basta um mero assopro ou um leve girar do botão do fogareiro para que tudo volte à tona. Espera-se habilidade do prefeito, muita habilidade. Caso contrário mudanças, e drásticas, vão ocorrer.

UEUO
Na próxima terça-feira,8, acontece eleições na União dos Estudantes Universitários de Olímpia-UEUO. Esta entidade que vive às turras com os executivos municipais, e vice e versa. Não por posições político-ideológicas, mas por imposições político-eleitorais. Todos os prefeitos que por esta terra passaram, desde o surgimento da União, há cerca de 30 anos atrás, a querem atrelada aos seus interesses. Houve um período – naqueles anos de chumbo – que até despejada de um prédio público a UEUO foi. Mas, naquela ocasião, a cidade tinha uma UEUO ideológica, politizada, anti-ditadura, já que seus integrantes eram estudantes de centros de ensino, cultura e conhecimento como USP, Mackenzie, Casper Libero, São Francisco e até o ITA. Eram jovens irrequietos aqueles. Deixavam os pais desta então mínima urbe, de cabelos em pé com suas estripulias. Bons e belos tempos…

E HOJE?
Na minha modesta opinião, a UEUO, hoje, não tem a mesma representatividade. Não tem o mesmo peso social e político. Não tem a mesma gana, um objetivo a perseguir. Seria, hoje, uma espécie de ‘chicana’ social a auxiliar os que menos têm, possibilitando ou, pelo menos, aliviando sua carga financeira frente aos estudos superiores aqui ou alhures. O que justifica, hoje, a existência da UEUO? Nos moldes em que ela se encontra, na qualidade de suas ações, na falta de objetividade de suas posturas e outras coisas mais, nada justifica a exitência desta entidade, hoje. Agora, se vai se partir para mais uma eleição, para a escolha de mais uma – e nova – diretoria, que venha ela dotada de gana, espírito de decisão e luta, voluntarismo, independência, até mais que a transparência buscada pelas duas chapas – que cravaram o susbstantivo em suas denominações -, vontade de mudar, radicalidade de sentido, postura íngreme, então ainda restará uma esperança….

PERDIGUEIRICE
Agora, o que não pode é se admitir tantas sandices que vêm sendo ditas, tantos impropérios que se vem destilando em torno do assunto. Não se sabe qual é o desespero da ‘brigada zulianista’ ou, melhor, qual é o tamanho interesse do Executivo municipal em ter gente sua lá dentro. A troco de quê? E, depois, partidarizar a disputa, como vêm fazendo, é contraproducente ao debate, às discussões, à democracia. Até porque, dizer que “o PT quer pegar a UEUO” é de uma imbecilidade sem precedentes. Mesmo porque, o candidato opositor à chapa do Zé Ricardo, o Marquinhos Santos, é conhecido por todos como “Marquinhos do Psol”, e não é à toa: ele é presidente da provisória do partido na cidade. Ao passo que Zé Ricardo é presidente do diretório municipal do PT até o fim do mês. E ambos, claro, têm o legítimo direito de estarem filiados a partidos políticos, dirigí-los se for o caso, e também buscarem uma posição de comando em qualquer entidade com a qual se identifiquem. Se não conseguem ajudar a enriquecer o debate, muitos dos (as) coleguinhas poderiam fazer um favor aos olimpienses, de calarem a boca.

TRAMPOLIM
Na história recente da UEUO, vimos que dois de seus ex-presidentes, hoje ocupam cargos políticos. Um deles é prefeito; outro, presidente da Câmara. E há rumores de que um dos atuais candidatos já teria confidenciado a pessoa de nossa relação que sua intenção é “catapultar” (que palavra horrível!) seu nome para as próximas eleições à Câmara. Não vou citar nome, para não me incluírem na lista dos partidaristas da UEUO. Os amigos que observem bem a fala de cada um, o comportamento, as ligações e movimentações políticas, e depois tirem suas conclusões. No mais, sinceramente – e a menos que estejam vendo ouro onde só vejo cascalho – não entendo porque tanto barulho por um verdadeiro espólio. Porque tanta gana para ser esta espécie de gerente de massa falida que vive à base das míseras moedas que lhe atiram os poderosos de plantão, assim tornando-se refém das vontades e ‘desvontades’ do poder.

CERTO DIA, EM CERTA REUNIÃO...

CERTO DIA, EM CERTA REUNIÃO...

LOUCA DE PEDRA
Tem uma sindicalista por aí, que é tão íntima do meio que representa, a ponto de não saber o que divide a categoria. Parece que anda ameaçando trazer a máquina sindical dos jornalistas para cá, para fazer uma ‘blitz’ nos veículos de comunicação de cá, digo jornais, porque ela não se conforma que eles agreguem tanta gente sem diploma, e tão mais inteligentes que ela. Diz ainda esta louca de pedra que na Câmara, o assessor de imprensa não é jornalista, não pode, portanto, exercer a função, e coisa e tal. Ignorante que é, nem imagina que assessoria de imprensa não é função exclusiva de jornalistas, simplesmente porque atuar como assessor de imprensa não é o mesmo que atuar como jornalista. Esta discussão está aí, em todo lugar, nas faculdades, nos órgãos representativos de jornais e jornalistas, no seio dos sindicatos. Aliás, já existe até uma forte discussão a dividir a academia: pode o jornalista ser assessor de imprensa? O assessor de imprensa é jornalista? Assessorando alguém, ou alguma entidade, instituição ou empresa, o jornalista está no pleno exercício de seu ofício? Antene-se, que coisa!

CARTÓRIO
Louca de pedra, joga no Google e você vai encontrar ‘enes’ discussões neste gênero. Pensar e dizer o contrário, é pura má-fé ou ignorância. E, depois, este Sindicato não tem mais o que fazer além de ficar perseguindo quem precisa trabalhar e o faz com decência e responsabilidade? Será que no âmbito da profissão não há nada que possa ocupar os cabeças pensantes nele ‘pendurados’? Como, por exemplo, melhoria na qualidade dos profissionais, melhor capacitação de professores da área, melhor estrutura de ensino e conteúdo de conhecimentos das faculdades de jornalismo, e, super-importante, discutir-se o futuro da profissão e dos profissionais que todo dia são jogados aos milhares no mercado de trabalho – que as faculdades de jornalismo mais parecem fábricas de desabridos! – sem que haja mercado de trabalho! O sindicato não está aí para proteger a categoria? Ou só para encher as burras às custas deste cada vez mais pobre e roto trabalhador?

SELO VERDE
Qual é a importância de Olímpia ter esse tal selo verde, mesmo? A turma tem reclamado muito nos últimos dias por tê-lo perdido, que isso é resultado dos descasos do passado – alô, alô, secretário de Agricultura, obrigado pela parte que te toca? Na edição de hoje do Gazeta Regional – que anda mais parecido com um ‘portfólio’ do Governo Geninho – foi publicada matéria sobre o tema, dizendo que não foi agora, mas poderá ser em janeiro. E que Olímpia cumpriu oito exigências ambientais para tanto. O jornal, no entanto, não diz quais são elas. Apenas relaciona as dez exigências impostas pela Secretaria do Meio Ambiente, para a obtenção do tal selo. E, sinceramente, lendo com toda atenção, não conseguimos descobrir em meio a elas, quais seriam estas oito exigências já cumpridas na cidade. Se não, vejamos: as 10 Diretivas são: Esgoto Tratado, Lixo Mínimo, Recuperação da Mata Ciliar, Arborização Urbana, Educação Ambiental, Habitação Sustentável, Uso da Água, Poluição do Ar, Estrutura Ambiental e Conselho de Meio Ambiente (ôpa, este nós temos!). E no mais, o que temos? Peço por favor aos amigos do blog que, se eu estiver enganado (não é por má-fé, garanto!), alguém de vocês me indique onde estão os oito ítens cumpridos….

UMA PERGUNTA
A informação do cumpirmento dos ítens para o selo verde é feita por relatório assinado pelo prefeito? Virá ou veio algum inspetor da SMA conferir in loco tal relatório? Peço aos amigos que, se souberem, me respondam. E entendam: não postei este assunto só para contestar, mas para chamar a atenção do Governo Municipal e das gentes que o cerca de que há certas coisas que não podem ser tratadas como propaganda simplesmente. Ter o selo verde vai representar tudo aquilo que ele preconiza, ou seja, o bem estar absoluto da população, cumprindo-se todas as Diretivas – de verdade! -, ou servirá apenas como mais uma peça de propaganda deste Governo?

DIZE-ME COM QUEM ANDAS….

SEM COMENTÁRIOS

SEM COMENTÁRIOS

Amigos do blog, foi um final de semana quentíssimo nos bastidores do Governo Geninho. O prefeito em exercício, Gustavo Pimenta, passou o seu primeiro dia na cadeira principal da Nove de Julho, apagando ‘incêndio’ – e até fazendo ‘apagar’ texto de um certo ‘blog maluco’ que quando quer ajudar, só atrapalha. O ‘imbróglio’ envolveu o secretário de Esporte, Turismo, Cultura e Lazer, Beto Puttini, que vem de ser impiedosamente atacado por um jornal da cidade, de propriedade do mesmo empresário que até outro dia “era assim” com os homens do poder. Acontece que, tendo seus interesses contrariados, este empresário resolveu atacar, como se diz no jargão do jornalismo canalha, ‘bater’ no secretário. Inventou uma tal enquete junto à população sobre os secretários municipais e, sintomaticamente, iniciou a ‘série’ por Beto Puttini. E, claro, as opiniões – embora de apenas três pessoas, uma delas com fote suspeita de ser o próprio empresário – foram negativas a respeito do trabalho de Puttini. O editorial, foi contra o secretário, a charge, foi contra o secretário, e o espaço da voz do povo, também atacou o secretário (aqui, uma foto tem uma figura idêntica ao empresário). E tudo isso, numa semana em que o prefeito está em Paris. Dada a gravidade dos fatos, até lá, do outro lado do oceano, ele recebeu e-mails vários narrando os fatos daqui. “Calma, que quando chegar aí eu resolvo tudo”, teria dito o alcaide, via net.

MAS NÃO CESSOU
Nem o pedido do prefeito foi atendido. O corre-corre foi total, os telefones não pararam, celulares chamando, conversas, avisos, ameaças veladas e quetais, foram assim cheias as horas últimas. Teve até quem quisesse ajudar, mas acabou atrapalhando mais ainda, e texto teve que ser ‘podado’ para não inflamar as chamas. O vice, então já no cargo temporário de prefeito (até sábado que vem, dia 5), teve que apagar o ‘incêndio’, pelo menos temporariamente, porque na segunda-feira o secretário foi à Rádio Menina e abordou o assunto, deixando claro sua contrariedade quanto ao que foi publicado.

MUDANÇAS
Houve até discussões sobre o que poderia acontecer em nível de Câmara Municipal, já que Puttini não escondeu de ninguém que, caso insistam neste caminho, poderia deixar a Secretaria e voltar para a Casa de Leis. E não simplesmente voltar, mas voltar na oposição, e não na bancada situacionista. “O que vocês se esquecem é que eu tenho uma coisa que vocês não têm. Eu tenho mandato”, teria dito Puttini a um interlocutor que lhe pedia calma e paciência. O vereador Salata, substituto de Puttini na Câmara, dizem, já estava até matutando para onde iria, que Secretaria ocuparia. Porque ficar sem cargo é que não ia. E quando se pensou que tudo estava apaziguado, eis que hoje, aquele mesmo empresário soltou a ‘perdigueirice’ para cima do secretário, que mais irritado ainda ficou. “O Geninho vai ter que escolher. Ou eu ou ele”, teria dito Puttini a pessoa de sua estima. “E com uma veemência que eu nunca tinha visto antes”, relatou quem ouviu a conversa.

O CASO
Tudo começou alguns meses atrás, quando o secretário Puttini cortou a ligação que seus setores tinha com o empresário, que além do jornal, além da rádio, também é proprietário de uma locadora de equipamentos de luz e som. Disse o secretário que o corte se deu em função de que os preços cobrados por este empresário eram exorbitantes, e acabava por encarecer os eventos principamente na área de Cultura. Então, depois houve o corte do Circuito Cultural Paulista, que mais locava o som do dito cujo, e ele não teve como pressionar o prefeito, já que não tinha eventos. E a partir daí a relação de ambos foi por terra de vez. Relação esta que era bem estreita quando da formatação da campanha eleitoral, toda feita nas dependências da emissora do dito empresário.

FATIA MAIOR
Como maior divulgador da campanha de Zuliani, o empresário se sentia no direito de arrebatar sempre um naco maior dos gastos com locação de som, dizem que sem dó nem piedade na hora de fazer o orçamento. Tudo ia até muito bem, o pessoal cumprindo direitinho a escrita, até que Puttini se rebelou, indignado com os valores cobrados. E cortou tudo. Isso enfureceu o empresário que, deliberadamente, o atacou no final de semana passada, via jornal, e hoje, dizem, via emissora de rádio. Resta saber como é que o prefeito Geninho vai resolver esta pendenga. Já que Puttini teria deixado as coisas nos seguintes termos: “Ou ele ou eu”.

BATE-BATE
Da parte lá de cima já se sabe, basta uma boa ‘conversa’ que tudo se resolve. Mas, e da parte de cá do rio? Amigos dizem que Geninho é habilidoso, que tudo ficará em brancas nuvens. Ele não pode perder Puttini, senão perde a Câmara de vez. E não pode prescindir do empresário, porque leva pau. E se o prefeito já se enfurece contra quem lhe faz críticas pontuais e embasadas, imagina o quanto não iria esbravejar quando começar a levar pancada de gente que deixa o caráter em casa quando vai trabalhar.

MELHORAL
Por conta deste ‘aperitivo’, muita gente já está renovando seus estoques de melhoral. Para o caso de muitas dores de cabeça. Como diz Tom Zé: “A cobra quando tem fome e não acha comida, morde o próprio rabo. Assim, ela é a fome e a comida ao mesmo tempo”.

Página 2 de 2

Blog do Orlando Costa: .